fbpx
Boxe

Vice-campeão paulista, atleta vê reinício positivo

Estudioso, Caio Souza não coloca limites: 'Vou onde o meu coração mandar'

Caio Souza, lutador de boxe da equipe Centro Esportivo MR/Unimep/Selam
Caio Souza treina de segunda a sexta-feira nas dependências do Centro Esportivo MR (Foto: Líder Esportes)

Vice-campeão paulista na categoria elite -69 kg, o piracicabano Caio Souza, 22, encara a medalha de prata como ponto de impulso para a continuidade da carreira. O segundo lugar no torneio da Febesp (Federação de Boxe do Estado de São Paulo), em Bauru, contribuiu para a equipe Piracicaba/Clube Palmeiras/Centro Esportivo MR/Selam fechar o Estadual no pódio da classificação geral, atrás apenas do Coliseu Boxe. Para o atleta, a competição significou ainda o retorno aos ringues.

“Fazia algum tempo que eu não lutava. Para mim, foi um teste muito bom, deu para retomar a confiança e sentir novamente aquela adrenalina de uma competição. O Paulista serve para aprendizado e amadurecimento, é uma competição que reúne vários atletas da seleção brasileira e a experiência foi muito importante para mim. A união da nossa equipe foi outro fator bastante positivo”, afirmou Caio. A experiência, na avaliação do pugilista, foi determinante na decisão da categoria.

‘Sou um cara muito estudioso, tento sempre entender o que estou fazendo no ringue. Lutador precisa ser inteligente’

“Na final, enfrentei um adversário (Cássio Oliveira) que vem lutando há nove anos e representa a Marinha do Brasil. É um atleta que já fez lutas fora e foi campeão brasileiro. Condicionamento físico eu tenho, mas faltou experiência. Tinha o pensamento de chegar à final do Paulista. Fui bronze em 2015 e agora queria fazer a final. Coloquei isso na cabeça e treinei bastante, mesmo nas férias. Então, faltou essa experiência. Além disso, estava há cerca de um ano sem competir”, contou o piracicabano.

Caio divide o resultado em Bauru com a equipe e os colegas de treino, entre eles o auxiliar técnico Gustavo Zandoval. “É um cara que ajudou muito. Respeito muito o lado profissional dele e, enquanto ser humano, tenho apenas elogios a fazer. De vez em quando, nós pensamos diferente, como é normal, mas o Zandoval é fantástico, aprendo muito com ele. A equipe toda é importante para um atleta. O bom resultado tem um pouco de todo mundo”, afirmou o atleta, que pensa agora na sequência da temporada.

“O foco agora são os Jogos Abertos. Claro que eu tenho objetivos, mas prefiro guardar para mim. É algo que me motiva. Quero aproveitar o Paulista para recomeçar a carreira, manter o ritmo e chegar bem nas próximas competições. Recentemente, tive um contato legal com a seleção brasileira e pude fazer sparring lá, algo que nunca tinha feito. Foi uma experiência que ajudou muito, assim como o trabalho na Liga de Sorocaba. A preparação no fim do primeiro semestre foi muito intensa. É um conjunto de fatores”, explicou.

PERFIL

Dono de um perfil sereno, Caio Souza está convicto de que pode ir longe no boxe, mas não quer chegar de qualquer jeito. “Vou até onde meu coração dizer que é possível. Sou um cara muito estudioso, vejo vídeos e tento sempre entender o que estou fazendo no ringue. É um fator importante. Lutador precisa ser inteligente, ter força apenas não adianta. Aproveito para ressaltar a seriedade do trabalho do Marcos (Ribeiro, técnico). Antes da final, ele me disse: ‘Divirta-se’. Lutar sorrindo foi a melhor experiência que eu tive. Mostrou o caminho daqui em diante”, finalizou.

Voltar