fbpx

Líder Esportes

+ Esportes

Um passe de mágica: projeto transforma vidas em Piracicaba

Criado pela ex-jogadora Magic Paula, instituto atende crianças e adolescentes

Instituto Passe de Mágica - Tiro de Guerra
O basquete está inserido no trabalho realizado pelos núcleos do instituto (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

Magic Paula fez história no esporte em Piracicaba, com a camisa da seleção brasileira e no basquete mundial. O nível apresentado em quadra a transformou em uma das maiores da modalidade em todos os tempos. Impossível contar quantas vezes ela levantou o público que costumava lotar as arquibancadas do Ginásio Municipal Waldemar Blatkauskas. O legado que a jogadora deixou para a cidade, entretanto, vai muito além dos títulos conquistados nas décadas de 1980 e 90. Paula é idealizadora do Instituto Passe de Mágica, associação sem fins lucrativos criada em 2004 que busca promover a prática do esporte para o desenvolvimento humano. Os valores são os mesmos de quando ela vestia os uniformes de Unimep e BCN: coragem, ética e excelência, com alta dose de comprometimento.

Piracicaba é uma das bases administrativas do projeto. São dois núcleos instalados na cidade: Tiro de Guerra e Vila Sônia. Cada núcleo tem capacidade para atender 120 crianças e adolescentes, chamados no instituto de educandos, com idade de 6 a 17 anos. Há listas de espera para participar. São quatro turmas por núcleo, divididas conforme a faixa etária. As aulas para cada grupo são realizadas duas vezes por semana e têm uma hora e meia de duração, com períodos de conversa, reflexão e a atividade prática, na qual se insere o basquete. O acompanhamento é feito pelos educadores e auxiliares.

Instituto Passe de Mágica - Tiro de Guerra

Nos intervalos, o grupo conversa sobre as atividades desenvolvidas (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

Paula Asbahr, 32, é supervisora do Passe de Mágica e está em Piracicaba há oito anos. Mudou-se de São Paulo para ser educadora no núcleo instalado no Tiro de Guerra, e exerceu a função de 2009 a 2015, quando assumiu a supervisão. Na capital, ela já atuava com projetos de desenvolvimento humano por meio do esporte. “No início, o basquete era muito forte apenas com os adolescentes. Hoje, nós entendemos que para uma criança demonstrar interesse por uma modalidade específica, ela precisa ter passado por diversas modalidades antes de escolher. Nas turmas de 6 a 11 anos, a parte motora é muito trabalhada, com exercícios que se relacionam a várias modalidades”, disse.

A ideia, porém, não é a formação de atletas. “O processo é construído de forma bastante natural. Despertamos o interesse por brincar, por jogar e por tomar decisões coletivas. O objetivo do projeto é o desenvolvimento humano por meio do esporte. A partir da formação, é possível inclusive se tornar um atleta melhor”, contou Paula Asbahr. A figura de Magic Paula, segundo a supervisora, é valiosa. “A Paula tem uma ligação muito forte com a cidade e Piracicaba tem um carinho especial por ela. É um grande exemplo. A figura da Paula é bastante significativa, principalmente para as meninas, devido às discussões existem sobre o papel das mulheres”, afirmou.

Instituto Passe de Mágica - Tiro de Guerra

Antes da prática, educandos e educadores discutem sobre as estratégias (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

DIFICULDADES

O Instituto Passe de Mágica se mantém com recursos via Lei de Incentivo, nas esferas estadual e federal. A cada ano, a história se repete: dificuldade para captar recursos ou manter patrocinadores. O planejamento anual varia entre o valor mínimo de R$ 300 mil, suficiente para contar com a estrutura básica, e R$ 480 mil, montante com o qual seria possível oferecer aos educandos suporte na área de psicologia e assistência social, situação vista como ideal. “Conforme o que captamos, nós reformulamos o projeto para que ele possa acontecer. O que temos feito ultimamente é a busca por editais. É difícil, mas pouco a pouco vamos captando e chegando aos 100%”, disse Paula Asbahr.

As dificuldades não têm qualquer interferência no caráter transformador do projeto. Não apenas para os educandos. Armador da equipe masculina adulta do XV de Piracicaba, Richard Augusto, 31, soube em um anúncio pregado nas paredes do Ginásio Municipal Waldemar Blatkauskas, em 2015, que o instituto precisava de um educador. Era sua oportunidade. “Eu sempre quis isso e agarrei a chance. Foi mágico transformar o que eu vivo no rendimento para o social. Os desafios são diários. Vejo que as crianças e os adolescentes nos olham como referências. Não apenas esportiva, mas no sentido de poder conseguir os seus sonhos. Sempre há algo marcante para contar”, afirmou.

ESTRATÉGIA

A macroestratégia para o desenvolvimento do projeto é traçada semestralmente, mas, segundo Richard, é flexível. “Mensalmente, nós olhamos para a dinâmica dos grupos e trabalhamos as individualidades. Nós discutimos o planejamento toda segunda-feira. Pensando no aspecto físico, nós trabalhamos bastante os movimentos combinados, a coordenação. Vemos essa deficiência na prática. Muitos conseguem correr, mas não conseguem correr com a bola, ou ainda correr e saltar. Trabalhamos na introdução às modalidades com os mais novos, pensando sempre na coordenação motora”, relatou.

De acordo com os educadores, cada vivencia é dividida em três grandes momentos: alongamento dinâmico e aquecimento, atividade de desenvolvimento e aplicação da habilidade. “No intervalo entre cada momento, temos a roda de conversa, quando eles (educandos) falam como tem sido o dia deles. Esse primeiro contato é fundamental para sentir como eles estão, para saber se vamos seguir à risca o que havíamos planejado ou não. As crianças aceitam muitas coisas, mas não são robôs. Elas precisam entender o que estão fazendo e nós precisamos saber como elas estão se sentindo. O esporte é uma ótima ferramenta de educação, principalmente se for usada de forma correta”, completou Richard. É o que Magic Paula aprendeu em quadra e hoje deixa como legado fora dela.

Instituto Passe de Mágica - Tiro de Guerra

A formação humana pelo esporte é o principal objetivo do projeto (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

Voltar