fbpx
Basquete

‘Um dia vou ser igual a Magic Paula: melhor do Brasil’

Aos 9 anos, Luis frequenta as atividades do IPM e se destaca pela habilidade e carisma

Luis sonha em ser jogador de basquete e garante: vai brilhar igual seus ídolos (Foto: IPM/Divulgação)

No meio de tantas crianças, o menino Luis Ricardo Araújo não passa despercebido. Com 9 anos, ele mostra desenvoltura não apenas com a bola de basquete, mas também para se comunicar. “Meu nome é Luis, o cara”, vai logo dizendo. E os apelidos não param por aí. “Fui jogar com a turma e eles viram o meu talento. Depois, aprendi ainda mais com esses professores maravilhosos. Foi então que eu virei o Michael Jordan branco (risos)”, contou. Em setembro, Luis completou um ano frequentando as aulas no núcleo instalado pelo Instituto Passe de Mágica no Jardim Portinari, em Diadema (SP). Ele garante que aprendeu basquete por lá. “Um amigo passou em casa e disse: ‘Vamos treinar basquete?’ Eu fui, joguei e virei isso tudo que eu sou hoje (risos)”, brincou.

O Instituto Passe de Mágica é uma associação sem fins lucrativos criada pela medalhista olímpica e campeã mundial de basquete, Magic Paula. Desde 2004, promove a prática do esporte para o desenvolvimento humano. Em setembro, foram cerca de 750 educandos atendidos. São crianças e adolescentes como Luis, incentivados a expressar suas vontades. “Quero ser jogador. Se não der no basquete, vou no futebol. E se eu falar que no futebol o pessoal que me vê jogar fala que sou o craque? Torço para o São Paulo e tá precisando de mim lá. Se eu posso ajudar o São Paulo? É óbvio!”, garantiu.

Luis concilia as atividades no Instituto Passe de Mágica com a escola – ele está no quarto ano do ensino fundamental. No projeto, diz que gosta de todas as brincadeiras, mas principalmente do resta um. “A gente fica atrás da linha amarela e arremessa. Se a bola cai e o outro erra, ele está eliminado”, contou o garoto. Sempre brincalhão, Luis fica mais pensativo quando é questionado sobre quais benefícios o projeto trouxe para ele. O sorriso retorna junto com a resposta: “Aqui é a minha casinha, o meu quintal”.

“Eu melhorei como pessoa, sou mais disciplinado. Ganhei amizades e respeito tratando todo mundo igual. As rodas de conversa são ‘fera’. Tudo é legal. No Passe de Mágica, quero chegar no auge e ganhar todos os campeonatos. Já sou o Michael Jordan branco e ainda vou ser igual a Magic Paula: melhor do Brasil. E quando ela veio aqui, cara! Oxe! Ensinou bastante e acertou 11 cestas seguidas. Oxe, que eu quase desmaiei! Pode escrever aí: vou ser bom igual LeBron James, Magic Paula e Michael Jordan”, completou Luis, o cara.

Voltar