fbpx
Opinião

Tite, o incoerente

*Capa: Arquivo/CBF

O nosso ‘craque’ é um desequilibrado e não sabe perder. Além disso, pensa que é mais do que é. E ainda acha que está acima do bem e do mal. Quem é fã de Neymar que me desculpe, mas é isso que penso do ex-jogador santista. Tudo bem que o torcedor deve ter falado um monte para o Neymar após o PSG perder a final da Copa da França, nos pênaltis, para o modesto Rennes, no último sábado (27). Porém, a reação do brasileiro, que deu um soco, é totalmente condenável para qualquer pessoa, ainda mais para um astro mundial da bola.

Mas o Neymar a gente já conhece. Fomos alertados há quase dez anos pelo técnico Renê Simões, que disse: “Estamos criando um monstro”. Isso após Neymar desobedecer o técnico Dorival Junior em um jogo na Vila Belmiro, durante passagem de ambos pelo Santos. Agora, a declaração do técnico da Seleção Brasileira, Tite, sobre o ocorrido chama a atenção. Para não dizer patética! Indagado sobre o episódio pela imprensa, o ‘Senhor Meritocracia’ disse que não iria falar nada antes de conversar com o atleta. Conversar o que, cara pálida? Não viu as imagens?

Sim, o Neymar vai dizer que errou, que não deveria ter feito aquilo e que vai chamar o agredido para um jantar de confraternização no restaurante mais caro de Paris. Não é o perfil dele. O que o mimado camisa 10 da Seleção Brasileira vai dizer é que foi xingado, por isso bateu no torcedor. Resumindo: a culpa não é dele. Depois desse bate-papo, regado a um bom vinho francês, o Tite vai à imprensa dizer que deu um ‘pito’ nele e está tudo certo. Igualzinho como fez com o Douglas Costa (ironia, claro).

E o prêmio por tudo isso para o Neymar: convocação para a Copa América 2019. Podem anotar: no máximo, Neymar vai ficar fora de um amistoso. Essa será a maior punição. A Federação Francesa de Futebol é outra a passar a mão na cabeça: até agora nada, nem uma nota oficial sobre a agressão. Que tristeza! Enquanto o ídolo brasileiro pratica outro esporte, no caso o boxe, o argentino Lionel Messi arrebenta, mas num sentido muito mais nobre, na Liga Campeões da Europa.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar