fbpx
Corpo & Mente

Terapia Pós-Ciclo

Terapia Pós-Ciclo - Carlos Ribeiro

O uso de esteróides anabolizantes é algo inquestionável no âmbito esportivo. Por conseguinte e, infelizmente, as pesquisas são poucas e restritas pela ética médica, logo, tudo que se tem é embasado em tratados off label e conhecimentos empíricos aliados a estudos fisiológicos, bioquímicos e farmacológicos. Nenhuma forma de administração para fins ergogênicos é totalmente segura, e não há garantias de retorno à fisiologia normal do organismo.

A partir da primeira dose, com certeza seu corpo nunca mais será o mesmo

A Terapia Pós-Ciclo, também chamada de TPC, é um tratamento que nem sempre é bem compreendido. Com a quantidade de informações erradas disponível, muitos acabam gerando expectativas irreais ou simplesmente não entendem quais são os efeitos reais do tratamento. Quando utilizamos uma suplementação com esteróides anabolizantes, nossos níveis naturais de hormônio são alterados. A maioria das drogas para esse tipo de tratamento suprime nossa produção natural de testosterona de alguma forma.

Toda vez que há utilização de hormônio sintético, semi sintético ou similar ao hormônio de testosterona, tanto no homem quanto na mulher, independente da dose ou tempo de uso, irá ocorrer o que chamamos de bloqueio de produção ou bloqueio gonadal. Isso ocorre principalmente pelo fato de os níveis de hormônios não naturais estarem muito acima dos níveis fisiológicos, portanto, não há necessidade do organismo produzi-lo.

A maioria das reposições de hormônios para fins estéticos ou para melhora de desempenho é utilizada por um determinado período de tempo, ao contrário da reposição com hormônio bioidêntico, em pacientes com hipogonadismo, que utilizará o hormônio para o resto da vida, por déficit de produção, normalmente ligado à idade ou ainda por uso abusivo de hormônios similares.

Entenda que, ao se utilizar um fármaco que substitua o hormônio natural, você está inibindo sua produção natural e, mesmo após o término do uso deste fármaco, tarda um grande período para que o organismo se dê conta disso e volte a produzi-lo. Dependendo da dose e período em que foi utilizado, pode ser que seu organismo não consiga reverter isso sozinho, não consiga reverter nunca mais. O objetivo principal da Terapia Pós-Ciclo é estimular a produção natural de testosterona de volta ao corpo e diminuir o tempo de recuperação deste processo.

O objetivo da TPC é estimular a produção natural de testosterona

Todo o ganho obtido durante o uso do esteróide anabolizante pode ser perdido durante o período em que seu organismo leva para voltar a produzir testosterona – e os efeitos da baixa testosterona não são poucos. Os perigos de deixar seu corpo afetado por um longo tempo em relação à produção hormonal envolvem, ainda, um fracasso no objetivo que motivou seu primeiro tratamento com esteróides.

É necessário entender que nenhuma TPC irá retornar os níveis de produção natural ao que eram antes do ciclo de esteróides em um período curto de tempo, muito menos se os ciclos forem repetidos regularmente. Embora pareça óbvio, é sempre importante explicar: uma TPC deve ocorrer quando todo o uso de esteróides anabólicos acabar.

Esta é a regra, mas a questão não é tão simples assim. Normalmente, o valor gasto para corrigir os erros causados pelo uso abusivo de esteróide anabolizante é muito maior do que o gasto utilizado com as drogas, os efeitos fisiológicos são menores, o rendimento físico menor e o efeito psicológico é menor ainda, então, o atleta ou paciente, acaba preferindo não realizar TPC e se mantém utilizando drogas por um período longo, o que acaba acarretando em um problema mais grave futuramente: seu corpo deixa de produzir testosterona para sempre.

Não existe dosagem 100% segura, não existe dosagem sem efeitos colaterais e o abuso pode trazer graves danos à saúde. As drogas estão cada vez mais modernas e mais fortes, com acesso cada vez mais fácil. Pense bem antes de tomar uma decisão: a partir da primeira dose, com certeza o seu corpo nunca mais será o mesmo.

Carlos Ribeiro é médico e colunista do portal LÍDER

Voltar