fbpx

Líder Esportes

Opinião

Sob pressão

*Capa: Rubens Chiri/São Paulo FC

O ídolo Rogério Ceni está de volta ao São Paulo. Agora, como treinador. Pela segunda vez. Quando comandou na primeira oportunidade, era inexperiente e errou bastante em suas decisões. Agora, mais calejado e com vários títulos no currículo, ele chega como um dos melhores técnicos do Brasil na atualidade. Tudo certo, se não fosse por um detalhe: ele falou o que não devia quando estava no Flamengo.

Explico: na empolgação por comandar o clube que é uma verdadeira nação, ele fez a bobagem de comparar as duas torcidas. Ele disse, na época, que havia “jogado por muitos anos no São Paulo, que é um clube de massa. Mas aqui no Flamengo diferente de tudo”. Cuspiu no prato em que comeu. E agora terá de encarar a fúria da torcida tricolor. Assim que a diretoria do São Paulo anunciou Ceni como o comandante poucas horas após demitir Hernan Crespo e toda comissão técnica, nesta quarta-feira (13) à tarde, a Independente, maior organizada do clube, soltou uma nota repudiando o novo técnico. É isso mesmo! Sinais dos tempos…

A Independente disse, entre outras coisas, que Rogério Ceni jogador é ídolo, mas o técnico ainda não deu nada para o clube. Falou também que não adiantou Ceni ‘puxar o saco’ do Flamengo, pois foi demitido mesmo assim do clube da Gávea poucos meses depois da declaração de amor ao Mengo. E mais: exige o pedido público de desculpas pelo que falou. Na visão dos torcedores, Ceni diminuiu o Tricolor. É o preço que terá de pegar pelo que disse.

Antes do clássico contra o Corinthians, o São Paulo recebe nesta quinta-feira (14) o Ceará com a obrigação de vitória para respirar um pouco em relação ao Z4. Ceni já vai para o jogo. Treinou o time, colocou Orejuela na direita, Reinaldo na esquerda e Benitez no meio. Sacou Calleri e deixou o time com dois atacantes somente: Luciano e Rigoni. São apostas para um time que precisa de um fato novo para voltar a vencer e convencer. Se, após todas essas mudanças, der tudo certo para o São Paulo, pode ser que a torcida comece a esquecer a famigerada declaração de Ceni, nos tempos em que vestia vermelho e preto. Vamos aguardar…

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar