fbpx
Opinião

Sem a necessidade de um 9

*Capa: SE Palmeiras/Reprodução/Facebook

O Palmeiras voltou ‘voando’ na temporada 2022. É o time a ser batido o Estado de São Paulo, apesar de o São Paulo ser o atual campeão do Campeonato Paulista. Joga fácil, com a bola e sem ela também; é um time entrosado, bem treinado. Nesta quarta-feira (26), diante da Ponte Preta, no Allianz Parque, ganhou com propriedade e sem esforço por 3×0. Um treino de luxo!

Tudo bem que a Macaca não é nem sombra de um time que se pode dizer que vai dar trabalho a alguém nesse Paulistão. Não deve nem passar da primeira fase. Mas o que se viu no Allianz foi um time pronto contra um amontoado de jogadores. O Alviverde faz coletivos no Estadual. Literalmente! Acelera quando precisa, cadencia quando precisa, ataca e defende com muita competência. Ainda terá mais dois testes antes do Mundial, diante do São Bernardo (fora de casa) e Água Santa (no Allianz Parque).

Para essas partidas, é bem capaz que o técnico Abel Ferreira rode seu elenco, para chegar ao Mundial com todos em condições razoáveis de jogo. Ao ver como esse time se apresenta, fico pensando se realmente há necessidade de um camisa 9, até por que o Rony, do jeito que joga, da forma com que se doa taticamente, dificilmente deixará o time.

Dizem que o Lucas Alario está perto de um acerto. Pode até ser. Mas não vejo a necessidade de um homem de referência nesse momento. O Palmeiras aprendeu a jogar sem um jogador mais fixo dentro da área. E mesmo porque, quando (ou se) precisar, o Deyverson está aí para fazer essa função. Com Dudu e Rony, mais Gustavo Scarpa e Raphael Veiga vindo de trás, acredito que seja a formação ideal para tentar ganhar o mundo.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar