fbpx
Opinião

São fracos mesmo!

Entra ano, sai ano e a arbitragem segue como o centro das discussões do futebol brasileiro. Nem a implantação do VAR (árbitro de vídeo) serviu para diminuir a choradeira dos que se sentem ‘roubados’. É uma polêmica que não tem fim no esporte mais popular do nosso país. Na última semana, o São Paulo foi claramente prejudicado pelos homens do apito no Campeonato Paulista, diante do Novorizontino e Corinthians. Porém, a reclamação não é um fato exclusivo do time do Morumbi. Todos, em algum momento, já reclamaram. É uma endemia. Não tem jeito.

Mas, por que os juízes erram tanto? Seria má-fé ou ruindade mesmo? Não tenho dúvidas de que seja a segunda opção. Os árbitros não acompanharam a evolução do futebol, são mal remunerados e não são profissionais, ou seja, não vivem exclusivamente no futebol. E, por fim, a categoria carece de renovação constante. A formação de novos árbitros, de juízes de qualidade, também é muito demorada.

A maior dificuldade, porém, é a falta de respaldo das federações e da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). A cada erro e visita dos dirigentes no clube prejudicado, os responsáveis pela escala acabam fritando os árbitros. Eles estão só, acuados. A corda sempre arrebenta do seu lado. Acredito que isso também influi para as decisões equivocadas em campo.

Um bom exemplo do que estou falando aconteceu nesta semana. Depois de tanto ser prejudicado, a diretoria do São Paulo foi à FPF (Federação Paulista de Futebol) reclamar. Resultado: a FPF colocou seu melhor quadro, o árbitro Raphael Claus, tido como o melhor do País, para arbitrar o jogo do Tricolor diante do Oeste, na sétima rodada do Paulistão.

Uma solução paliativa. Nada mais do que isso. Para estancar os erros no Campeonato Paulista, só vejo uma saída a curto prazo: a implantação do VAR logo a partir da primeira rodada. Isso, é claro, a partir de 2021. É caro? É. Mas ficou provado que o árbitro de vídeo, se não acaba com as polêmicas, pelo menos diminui muito os equívocos. É esse o caminho para o bem do nosso futebol.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar