fbpx
Opinião

Resultado e desempenho

Há 20 e poucos dias, o técnico Tarcísio Pugliese entrava na sala de imprensa do Barão da Serra Negra sob pressão, com o cargo no XV de Piracicaba ameaçado pela sequência negativa na Série A2 do Campeonato Paulista. Eram quatro jogos sem vitória. Na ocasião, o treinador criticou a “cultura resultadista que impera no futebol brasileiro” e disse que era preciso “analisar desempenho e não resultado”. De lá para cá, foram cinco partidas e cinco vitórias. No último domingo (23), Pugliese concedeu entrevista e falou sobre o “momento fantástico” que vive o time piracicabano. O que mudou?

Não dá para dissociar. A realidade é que os resultados são melhores porque o futebol apresentado é razoavelmente melhor. A fase de construção ainda carece de ajustes – depende em alta escala da qualidade de Daniel Costa na bola parada. Os gols de Caio Mancha e Érison, contra o Red Bull, foram os dois primeiros que o XV de Piracicaba marcou com bola rolando em 2020. Foram quatro gols em cobranças de falta (Atibaia, Audax e Rio Claro, duas vezes), dois de pênalti (Audax e Juventus) e três com a origem em escanteios (São Caetano, Red Bull e Londrina-PR).

O que evoluiu foi a consistência defensiva, mais sólida depois da saída de Assis e a entrada de Paulão, que atua na lateral, mas funciona como zagueiro pelo corredor esquerdo. Deve melhorar com Walfrido. As individualidades, inclusive, têm sido fundamentais para explicar a boa fase do Nhô Quim. Além de Daniel Costa, vejo mais dois pilares: Gilberto Alemão, que transmite segurança atrás e representa perigo ao adversário toda vez que sobe ao ataque; e o goleiro Mota, dono de uma serenidade e liderança que não percebo no gol do XV de Piracicaba desde Roberto, em 2015.

No caminho contrário está Kadu: previsível neste início de temporada, o atacante parece cada vez mais irritado com a própria ineficácia. Contra o Red Bull, recebeu o segundo cartão amarelo após cometer uma falta que merecia a expulsão direta. A titularidade de Kadu, em 2020, é fruto da confiança de Tarcísio Pugliese – o jogador deve iniciar o duelo de quarta-feira (26) contra o Juventude-RS. A partida pela Copa do Brasil será o teste mais difícil do ano para o XV. O jogo provavelmente será menos acelerado do que o time piracicabano está habituado na Série A2. Mais do que o desempenho, o que se espera no Barão da Serra Negra é que continue a maré de bons resultados.

Leonardo Moniz é editor de conteúdo do LÍDER

Voltar