fbpx
Judô

‘Repaginada’, Heisei traça planejamento para 2020

Mais competições, mesma filosofia: esporte visto como ferramenta para educação

Rene Mattos, judoca da Academia Heisei
Rene Mattos é treinador na Academia Heisei de Judô (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

A Academia Heisei de Judô iniciou o ano de 2020 na última semana de janeiro com três turmas: duas infantis, para crianças na faixa etária dos 4 aos 12 anos, com aulas às segundas e quartas-feiras, das 18h15 às 19h15, e às terças e quintas-feiras, no mesmo horário; e uma adulta, com treinos realizados às terças e quintas-feiras, das 19h30 às 21h. O primeiro mês de atividades marcou também a reabertura da academia, instalada na rua Luiz Rodrigues de Moraes, 393, bairro Alemães, que passou por reformas.

“As cores ficaram mais vivas, mexemos nas paredes e mudamos o local do tatame, além de montar uma recepção. Isso foi pensado para tornar o ambiente mais prazeroso e aconchegante”, afirmou o treinador Rene Mattos. “O primeiro mês foi de readaptação. Relembramos regras básicas do judô com as crianças. Para os adultos, realizamos treinos leves e estamos entrando na parte física, para aprimorar o condicionamento. Nós trabalhamos com a técnica o tempo todo, mas não é o foco nesse período”, completou.

Segundo Mattos, a filosofia da Heisei permanece intacta: o judô funciona como ferramenta para formação e desenvolvimento das crianças. O que deve mudar em relação a 2019 é o número de competições que a academia deve disputar. “A FPJ (Federação Paulista de Judô) permitirá que, em 2020, as crianças não federadas também participem de competições amistosas. Isso estimula a participação e vai refletir no nosso planejamento. Teremos mais competições para disputar”, disse.

A estreia da Heisei está marcada para o dia 4 de abril, em Araraquara, na Copa Real União. “Algumas crianças já demonstram interesse em competir e outras não. Isso é algo que nós percebemos nos treinos, quando uma criança que é derrubada e depois se esforça para derrubar também. A geração atual não é incentivada a competir. No vídeo game, por exemplo, você perde e basta recomeçar (risos). De qualquer forma, nós respeitamos a individualidade de cada criança”, completou Mattos.

Voltar