fbpx
Opinião

Quem levará a Glória Eterna?

Palmeiras e Santos decidem no próximo sábado (30), às 17h, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, quem fica com a taça de campeão da Copa Libertadores. A final é justa, com os dois melhores times da competição, e representa um prêmio para o futebol brasileiro, que mesmo antes da bola rolar garantiu mais um título: 20ª conquista, contra 25 dos argentinos, os maiores campeões.

É uma judiação não ter público no maior palco de futebol do planeta para este espetáculo. Certamente, palmeirenses e santistas fariam uma festa sem precedentes na história. Vale lembrar, porém, que ambos já foram campeões no Maraca. Os palestrinos levaram a Copa Rio de 1951, com público de mais de 100 mil torcedores. Já o Peixe venceu o Mundial de Clubes em 1963, sua maior conquista no Mario Filho.

Para o grande embate, os dois rivais paulistas têm seus trunfos. O Santos conta com a dupla Soteldo & Marinho para levar a Glória Eterna para a Vila Belmiro. Habilidosos, os dois jogadores são a válvula de escape do time. Todo ataque passa por eles. Soteldo vem atuando mais recuado, variando pelo lado esquerdo. E Marinho inferniza as defesas adversárias pelo lado direito.

Os alviverdes não têm dois protagonistas tão destacados, mas contam vários com jogadores acima da média. A começar pelo goleiro Wéverton, o paredão verde. No setor defensivo ainda se destaca o ótimo zagueiro paraguaio Gustavo Gómez. No meio – ou seria na lateral direita? – há a revelação Gabriel Menino e o ataque conta com Luiz Adriano e Rony, que se estiverem inspirados também podem decidir.

No banco, a experiência contra a juventude. Cuca, técnico alvinegro, busca a segunda conquista – foi campeão com o Atlético-MG, em 2013. E Abel Ferreira, comandante verde, é da nova e promissora safra de técnicos portugueses. Um dado curioso é que, se Abel vencer, será a segunda conquista na sequência de um patrício de Cabral na Libertadores, depois de Jorge Jesus com o Flamengo em 2019.

Um duelo sem favoritos. De verdade! Não é ‘mureta’ de quem não quer se comprometer em falar que um dos dois vai vencer. Vai depender muito do dia, do modo como a partida se desenrolará, da inspiração de cada jogador. A única certeza é que será um show de audiência, tanto para o Brasil e para outros quase 200 países que vão ter esse privilégio. Chega logo, sábado!

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar