fbpx
Futebol

Pugliese defende continuidade e rebate críticas

Técnico do time piracicabano avalia atuação contra São Bento: 'Fomos muito bem'

*Capa: Líder Esportes

Ainda sem saber o que é vitória em jogos oficiais na temporada 2020, o XV de Piracicaba continua pressionado no Campeonato Paulista da Série A2. Após empatar sem gols com o São Bento, atuando em casa, no último sábado (1º), o Nhô Quim ocupa a 14ª posição com apenas dois pontos ganhos. “A gente jogou muito bem, o melhor jogo nosso no campeonato. A gente já tinha jogado bem contra o São Caetano, mas infelizmente não conseguimos transformar o nosso volume de jogo e as nossas chances em gol”, disse o técnico Tarcísio Pugliese.

“O São Bento veio para cá (Piracicaba) com uma proposta clara, principalmente depois que perdeu um jogador, de se fechar bem e buscar esse empate. Foram efetivos nisso. A gente conseguiu controlar o jogo completamente e tivemos uma posse de bola incomparável com o adversário. O São Bento é um time muito forte, bem treinado pelo Léo Condé, que é um cara bastante inteligente. A gente conseguiu ser bastante efetivo durante o jogo, em termos de volume, de criação de situações, mas não foi efetivo nas finalizações e transformar isso em gol”, completou o treinador.

Pelo campeonato estadual, o Nhô Quim volta a campo no próximo sábado (8), às 15h, para encarar o Atibaia no estádio Décio Vitta, em Americana. Nesta quarta-feira (5), às 20h30, o Alvinegro faz a estreia na Copa do Brasil. O adversário, que joga pelo empate, é o Londrina-PR, no estádio Barão da Serra Negra. Recuperados de lesão, o lateral-direito Robertinho e o zagueiro Gilberto Alemão foram liberados para treinar normalmente com o grupo. Com entorse no tornozelo direito, o atacante Raphael Macena é dúvida para o jogo.

DESABAFO

Pressionado pelos resultados ruins e ameaçado de perder o cargo, o técnico Tarcísio Pugliese se mostrou incomodado com as críticas que tem recebido. Na coletiva após o confronto contra o São Bento, o treinador desabafou. “A gente tem que analisar desempenho e não resultado. Se acaba o jogo 2×0 contra o Audax e não toma os gols contra o São Caetano, o time era maravilhoso. Se a gente faz um dos gols das inúmeras chances que o time criou (contra o São Bento), o time era maravilhoso”, ressaltou o treinador.

“Estou há algum tempo no XV, conheço algumas pessoas aqui dentro, sei do que se passa fora, nos bastidores, de algum tipo de pressão que os diretores recebem e acabam cedendo em algumas situações. Eu acredito em convicção. Quem acredita que é resultado, tem que se manifestar dessa forma o tempo todo. O desagradável é que geralmente as pessoas defendem o trabalho, a continuidade, são as mesmas que em uma situação de turbulência pedem para que haja mudança. No meu ponto de vista, acho que falta personalidade, convicção e talvez até inteligência”, concluiu o treinador.

Voltar