fbpx
Voleibol

Projeto usa vôlei para tirar crianças das ruas

Mudar vidas e garimpar talentos são as bases da iniciativa em Piracicaba

Rosalvo Gonsalves Junior, coordenador do projeto de voleibol do Cristóvão Colombo
Rosalvo Gonsalves Junior é o coordenador do projeto de voleibol do Cristóvão Colombo (Foto: Líder Esportes)

Tirar as crianças da rua e, quem sabe, garimpar talentos nas quadras. Com os pilares definidos, teve início em abril o projeto de voleibol desenvolvido pelo Centro Cultural e Recreativo Cristóvão Colombo. As atividades, que são direcionadas para crianças e adolescentes a partir dos 7 anos, priorizam o aspecto social e a formação. O projeto foi aprovado via chamamento público e é financiado pela Prefeitura de Piracicaba, atendendo as determinações do Marco Regulatório (Lei Federal 13.019/2014).

“A ideia de desenvolver o projeto no Cristóvão Colombo é pelo fato de o clube possuir uma história no voleibol feminino. Viemos aqui e fizemos a proposta para a diretoria, que aceitou rapidamente. A partir daí, conseguimos aprovação e começamos a dar andamento ao trabalho. As aulas começaram em abril, mas, tanto no clube quanto na AFPMP (Associação dos Funcionários Públicos), elas já existiam”, afirmou Rosalvo Gonsalves Júnior, professor de educação física.

Apesar do foco social, em um universo de aproximadamente 150 crianças, existe a expectativa de encontrar talentos

Rosalvo é coordenador do projeto, cuja gestora responsável é Palloma Leite. Segundo ele, a prioridade é oferecer o caminho do esporte para as crianças carentes, na faixa dos 7 aos 10 anos. Depois, o projeto avança nas categorias pré-mirim, mirim, infantil e infanto-juvenil. “O objetivo é que cada criança vá subindo de categoria com o tempo. Ainda não temos times juvenil e adulto, pois essas categorias envolvem salário e nós não temos apoio de iniciativa privada. O projeto também não permite pagar atletas. No clube, ainda temos a equipe máster feminino, com pessoal que parou de jogar profissionalmente, mas continua praticando”, disse.

Além do clube, o projeto acontece em núcleos espalhados pela cidade. Na Escola Professor Jethro Vaz de Toledo, localizada no Jardim Itapuã, são mais de 20 crianças participando. “O Abílio (Bortoletto, diretor) já trabalhou com voleibol e tinha bastante criança interessada. É uma região de periferia, conseguimos montar um pólo, as crianças receberam bolas novas e camisetas. A ideia é atender crianças carentes. Nós também estamos fechando a parceria com o Sesi Piracicaba para desenvolver o trabalho. É uma região boa (Vila Industrial) e que tem muitas crianças. São os dois pólos sociais principais. Aqui no clube também temos a ‘escolinha’. Além disso, o Lade (Lademir Carraro, professor) está trabalhando com crianças pela manhã no Rezende”, relatou Rosalvo.

Rosalvo Gonsalves Junior, coordenador do projeto de voleibol do Cristóvão Colombo

O histórico do CCRCC no voleibol feminino facilitou a aprovação do projeto (Foto: Líder Esportes)

A previsão do projeto é para atender, no total, 80 crianças e adolescentes, número que foi batido em poucos meses de trabalho na somatória dos núcleos. “Acredito que podemos atingir de 150 a 200 pessoas”, afirmou o coordenador. Nas categorias de base, mirim e pré-mirim treinam duas vezes por semana, enquanto infantil e infanto-juvenil realizam três treinamentos semanais. Atualmente, as equipes participam de eventos como a Liga Regional de Campinas, Associação Pró-Voleibol e a Liga de Itatiba. “Disputamos os Jogos Abertos da Juventude e vamos representar Piracicaba nos Jogos Regionais e Jogos Abertos do Interior”, afirmou o professor.

Apesar do foco social, em um universo de aproximadamente 150 crianças, existe a expectativa de encontrar futuros talentos. O fato de não ter uma equipe adulta, porém, não permite que o ciclo seja completo em Piracicaba. É algo que frustra, mas eu não diria que ‘perdemos’ o atleta. “É uma alegria ver uma atleta que passou por você ir para clubes melhores, disputando uma Olimpíada. Piracicaba teve equipes muito boas nesse sentido, mas, infelizmente, não é fácil manter, pois dependemos da iniciativa privada. Por outro lado, o projeto via chamamento público permite voltar a formar atletas aqui”, completou Rosalvo.

SERVIÇO

As aulas na Escola Professor Jethro Vaz de Toledo (rua Garça, 535, Jardim Itapuã) acontecem às segundas e quartas-feiras, das 18h30 às 20h30. As atividades são gratuitas e abertas ao público. Para participar, não é necessário ser sócio do clube Cristóvão Colombo. Mais informações sobre horários e pólos pelo telefone (19) 3124-8800.

Voltar