fbpx
Karatê

Projeto realiza exame de faixas para alunos de karatê

Atividade promovida pelo 'Karatê para Todos' reúne cerca de 60 participantes

O exame de faixas começou com uma prova teórica aplicada aos alunos participantes do projeto (Foto: Líder Esportes)

A Associação Sport Way realizou na última quinta (18) e sexta-feira (19) o exame de graduação para os alunos que participam do projeto Karatê para Todos, iniciativa que oferece aulas gratuitas da modalidade à população. As atividades são divididas em dois núcleos instalados no Jardim Primavera (rua Cecílio Elias, 7) e no bairro Santa Rosa (rua Milton Teixeira de Sá, 250). Aprovado via chamamento público, o projeto é financiado pela Prefeitura de Piracicaba, atendendo as determinações do Marco Regulatório (Lei Federal 13.019/2014).

No total, cerca de 60 alunos foram examinados pelos professores Francielle Lima, Frederico Felipe, Hernani Veríssimo e Natalia Brozulatto, além do coordenador Diego Spigolon. “As atividades mostram a consolidação do projeto Karatê para Todos. O pessoal está indo para terceira faixa, estabelecemos uma relação de confiança com as famílias dos alunos e, cada vez mais, o projeto está ganhando. Esse é o principal ponto do exame, que também testa o nosso trabalho”, elogiou Spigolon.

A ‘ansiedade’ tomou conta dos alunos no dia do exame: graduação e faixa trocada (Foto: Líder Esportes)

O exame começou com uma prova escrita, seguida pelos testes físicos e de ordem técnica (kata e kihon). Bicampeão pan-americano e atleta da seleção brasileira, Hernani passou pela mesma avaliação no início da carreira e garante: não é fácil. “É um dia de muito nervosismo (risos). Passei várias vezes por essa etapa antes de chegar à faixa preta. É uma data especial, porque marca a nossa vida. Eles têm estudado bastante e o mérito da conquista traz um sentimento de satisfação”, afirmou o karateca.

Onze vezes campeã brasileira e atual campeã dos Jogos Pan-Americanos, Natalia endossou a opinião de Hernani. “O exame é um momento em que você se prepara tanto, treina muito e bate uma ansiedade grande para a troca de faixa. Essa sensação de desafio que envolve o exame é algo que você passa ao longo da vida. Vejo o karatê com uma preparação para a sequência da vida”, disse a lutadora, que completou: “Nós vemos potencial aqui. Com projetos sociais, descobrimos talentos que podem gerar bons frutos para Piracicaba”.

EXPECTATIVA

Para os alunos, os dias prévios ao exame foram de ansiedade e expectativa. O avô Silvio Michelini, 56, acompanhou o neto João Rodrigues, 13, na semana que antecedeu a atividade. “É o segundo exame que ele fez, passou a semana desnorteado (risos). Na noite anterior, não dormiu direito. Acordou preocupado com o exame. Na véspera, cheguei em casa e ele começou a pedir para fazer exercícios. Ficamos até meia noite estudando”, contou Silvio sobre João, que está no karatê há um ano e conquistou a faixa laranja.

Voltar