fbpx

Líder Esportes

Opinião

Primeira decisão

*Capa:  Rodrigo Coca/Agência Corinthians

O trágico empate com o modestíssimo River Plate-PAR, atual lanterna do Campeonato Paraguaio, botou pressão no Corinthians dentro da Copa Sul-Americana. Afinal, em um grupo no qual se classifica somente o primeiro colocado, perder dois pontos para o River genérico é quase uma ‘sentença de morte’. Ainda mais quando se tem na mesma chave um adversário de peso: o poderoso Peñarol, que, mesmo sem o brilho de anos anteriores, ainda impõe respeito por sua tradição e história riquíssima na América do Sul.

Sendo assim, a partida desta quinta-feira (29), às 19h15, na Arena Neo Química, tornou-se, por todos esses ingredientes citados acima, uma verdadeira decisão logo na segunda rodada da Copa Sul-Americana. Só a vitória interessa ao clube paulista. Um empate dentro de casa deixaria os aurinegros mais perto da única vaga do Grupo E da competição continental, porque eles definiriam a vaga com os brasileiros dentro de seus domínios.

Em condições normais, o Corinthians seria o favorito nesse duelo, por jogar em casa, por sua grandeza e pelo fato de esse torneio ser prioridade no clube. Entretanto, a inconstância da equipe, que não produz um bom futebol há tempos, coloca uma desconfiança na cabeça da Fiel Torcida. Os considerados titulares ainda não renderam o esperado e, quando o Timão conquista uma convincente vitória (2×0 no Santos, pelo Paulistão, fora de casa), quem vai a campo são os reservas e garotos da base.

A torcida também está de olho em Vagner Mancini. O comandante assumiu o comando técnico quando o clube estava na zona de rebaixamento, fez um trabalho de recuperação e classificou a equipe para a Sul-Americana. Porém, ainda é pouco. Muito pouco, diria. Todos esperavam um salto de qualidade para esse ano, o que não aconteceu. Por esse motivo, arrisco a dizer que, se não vencer nesta noite, Mancini não entra o mês de maio como treinador alvinegro.

O plano perfeito para o Corinthians nesse momento seria a vitória contra o Peñarol e o empate entre River Plate-PAR e Sport Huancayo-PER, na outra partida do grupo. Essa combinação praticamente tiraria os dois clubes coadjuvantes da disputa pela vaga e colocaria o time paulista na liderança do grupo, com quatro pontos ganhos, contra apenas três dos uruguaios. Vamos ver no que dá. Por volta das 21h30 saberemos se a bomba-relógio explodirá de vez ou se a paz reinará pelos lados do Parque São Jorge.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar