fbpx
Futebol

Presidente do XV alerta para ‘redução drástica’ de gastos

Contratos de 20 atletas se encerram até maio; clube enfrenta desafios com pandemia

Arnaldo Bortoletto, presidente do XV de Piracicaba
Arnaldo Bortoletto, presidente do XV de Piracicaba (Foto: Vitor Prates/XV de Piracicaba)

Ainda sem data definida para o retorno do Campeonato Paulista da Série A2, devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a FPF (Federação Paulista de Futebol) realizou na última quinta-feira (16) uma videoconferência com representantes das 16 equipes que disputam a competição. A reunião foi conduzida por Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da FPF. Em entrevista concedida nesta segunda-feira (20) à Jovem Pan News, Arnaldo Bortoletto, presidente do XV de Piracicaba, detalhou o ‘encontro’ e avaliou a saúde financeira do Alvinegro.

“O presidente da FPF falou sobre as dificuldades causadas pela pandemia e quis ouvir opiniões e projeções. Foi muito bem discutido, em uma reunião de três horas e meia, com o principal assunto sendo a volta do campeonato. Houve uma votação e a maioria decidiu pela volta, mas quando for permitido”, disse Bortoletto. “Vamos aguardar a autorização das entidades médicas e políticas. Assim que for liberado, primeiro voltam os treinos e depois o campeonato. Ninguém sabe ainda se serão portões abertos ou fechados. Tudo será de acordo com as recomendações”, declarou o mandatário quinzista.

“Todos pediram uma ajuda financeira para os clubes, mas o presidente (Bastos) disse ser impossível. Não há como a FPF socorrer 160 clubes, pois a reserva dela é muito pequena. Então, pedimos que corte os nossos gastos com arbitragem, exames antidoping, delegados e inscrições de jogadores. Na próxima reunião, em 15 ou 20 dias, devemos ter uma resposta. Nos foi pedido para segurar o caixa. Vencendo os contratos, não vai ter quem contrate. Então, depois recontrata”, afirmou Bortoletto.

CONTRATOS

O time piracicabano possui 20 jogadores inscritos na Série A2 com vencimentos de contrato no primeiro semestre. Os vínculos do goleiro Mota, dos laterais Assis e Wallace, do zagueiro Diego Jussani, do volante Bruno Lima, dos meias Daniel Costa e Filipe Cirne, e dos atacantes Caio Mancha, Érik Gabriel e Marcelinho, terminam em abril. Os laterais Jéfferson Feijão e Robertinho, os zagueiros Douglas Marques, Gilberto Alemão, Muriel e Paulão, os volantes Hiroshi e Walfrido, o meia Rafael Mineiro e o atacante Erick Salles, terminam contrato em maio.

Os goleiros Fábio e Leonardo, o volante Gabriel Soares e o meia Victor Adame possuem contrato até o final da temporada 2020. Os jogadores com vínculos mais longos são o lateral-esquerdo Rubens Carvalho, os volantes Fraga, João Pedro e Samuel Andrade, e os atacantes Érison, Kadu e Raphael Macena. “Ninguém falou sobre sair. Nós fizemos o pagamento total dos salários desse mês no dia 15, e avisamos que o caixa do clube no próximo mês não vai conseguir para pagar os 100%”, afirmou o presidente.

“Vamos ter que fazer alguma divisão, programação de recebimento, pois não sabemos quanto tempo isso vai durar. Alguns contratos vão vencer e não serão renovados. Com outros jogadores, vamos tentar algum compromisso para que, quando o campeonato voltar, eles sigam no XV. Devemos nos reunir nesta segunda-feira (20) para tratar esses detalhes e possivelmente falar com os jogadores na quarta-feira (22). Devemos enxugar bem nossas despesas, não teremos condições”.

“A recomendação dada pela FPF é de que estamos em uma realidade diferente. Acabou o futebol de pagamentos altos”

“A cota da TV é dividida em quatro parcelas. Nós já recebemos três e a outra só virá quando o campeonato retornar. A Rede Globo pagará o valor mesmo que os jogos sejam com portões fechados, pois eles serão transmitidos. Será feito um esforço para ver se a emissora libera agora uma parte da cota restante e a outra parte em maio. Alguns clubes já sacaram essa cota, mas o XV não. Estamos necessitando essa parte para quitar os salários que serão pagos em maio. Hoje, nossa situação financeira é de atenção”, destacou.

“Temos um saldo pequeno, não dá para trabalhar mais um mês como foi esse. Pagamos o mês cheio e tivemos que usar os recursos que tínhamos. Nosso patrocínio não veio o total, pois estamos dividindo para o resto do ano, já que temos alguns compromissos que não há como evitar, que são nossas despesas fixas. A loja do XV está parada e queremos começar as vendas online para pelo menos pagar o estoque. Estamos procurando alternativas, pois o financeiro do XV é alto e teremos que reduzir drasticamente”, disse Bortoletto, que completou:

“Estamos fazendo os cálculos e acredito que a partir de junho a folha salarial não vai poder ultrapassar R$ 100 mil. A recomendação dada pela Federação Paulista de Futebol é de que estamos em uma realidade diferente. Acabou aquele futebol de pagamentos altos (com salários). Também não sabemos se haverá a Copa Paulista. Talvez ocorra, mas com um número de clubes bastante reduzido e muitos times jogando com atletas da base ou de custo muito baixo”, finalizou o presidente do XV de Piracicaba.

Voltar