fbpx
Futebol

Piza lamenta empate: ‘Futebol não aceita desaforo’

Treinador aponta contra-ataques desperdiçados e justifica apenas três substituições

Evaristo Piza, técnico do XV de Piracicaba
Evaristo Piza lamentou o empate contra o Votuporanguense no Barão (Foto: Arquivo/Mauricio Bento)

O empate por 2×2 com o Votuporanguense teve sabor amargo para o técnico Evaristo Piza. O treinador estreou no XV de Piracicaba nesta quarta-feira (19), no estádio Barão da Serra Negra, pela 13ª rodada da primeira fase da Série A2 do Campeonato Paulista. Após abrir vantagem de dois gols nos primeiros minutos do confronto, o Nhô Quim permitiu a reação adversária no final da partida. Com o resultado, o XV despencou para o sétimo lugar, com 20 pontos, e tem a vaga para a próxima fase ameaçada. O próximo desafio será contra o São Bernardo, quarta-feira (26), fora de casa.

“A sensação é ruim pela maneira que foi, teve sabor de derrota. Estávamos terminando a rodada em terceiro lugar e descemos para sétimo com o empate. Tivemos um início muito bom, fizemos 2×0, mas deixamos o adversário gostar do jogo. Nós demoramos para ajustar a marcação e diminuir os espaços. Iniciamos novamente bem o segundo tempo, com chances. Antes de tomar o primeiro gol, tivemos no mínimo quatro oportunidades claras, de três homens contra um, mas a escolha foi errada”, afirmou Piza.

“Futebol não aceita desaforo, não executamos e fomos castigados. Agora temos que buscar a vitória contra o São Bernardo. A fé é a mesma, a confiança no grupo é a mesma, mas temos que ajustar esses detalhes”, disse o treinador, que justificou o fato de não ter realizado as cinco substituições que tem direito no jogo contra o CAV. “Eu posso mexer cinco vezes em três paradas, fiz duas mudanças no primeiro tempo por lesão com trocas simples. No intervalo não vi necessidade de mexer”, relatou o técnico.

“Quando o adversário estava se soltando, optei pela velocidade com a entrada do Érison. Pensei no Caio Mancha, mas o Macena estava combatendo bem. Depois que chamei o Érison, na questão da saída do Daniel (Costa), o Macena pediu (a substituição). A arbitragem não permitiu mudar, pois o Érison tinha acabado de entrar no campo. Se (o Macena) me avisa antes, eu fazia as duas substituições, com Érison e Caio Mancha. São detalhes que definem o resultado do jogo”, concluiu Piza.

Voltar