fbpx

Líder Esportes

Muay Thai

Piracicabana estreia como profissional no Fight Pró

Joyce Franca luta neste sábado (12), em Bragança Paulista, pelo card preliminar

Joyce Franca, lutadora de muay thai da equipe Inside Lukas Bueno
Joyce Franca estreia no próximo sábado no Fight Pró 4, em Bragança Paulista (Foto: Arquivo/Líder Esportes)

A piracicabana Joyce Franca estreia no muay thai profissional neste sábado (12), no Ginásio Doutor Lourenço Quilici ‘Lourenção’, em Bragança Paulista. A atleta da equipe Inside Lukas Bueno enfrenta a experiente Jackeline Oliveira, em duelo válido pela categoria 52 kg, no card preliminar do Fight Pró 4. A luta terá três rounds de três minutos cada. Com 1,60 m e 52 kg, a piracicabana está no esporte desde junho de 2017 e apresenta evolução meteórica. Campeã brasileira na última temporada, Joyce sabe que terá uma ‘batalha’ pela frente.

“Ela está bem treinada. A Joyce não teve dificuldades em relação ao peso, então, na última semana de preparação, nós diminuímos bastante a carga de treinos, priorizando a parte técnica e ‘afiando’ as ferramentas. A menina (Jackeline Oliveira) vem do kickboxing. É uma rival experiente, que tem muitas lutas e premiação no kickboxing. Nós treinamos muito o clinch e as cotoveladas. Conhecemos a adversária dez dias atrás, então tivemos de mudar a nossa estratégia”, disse o técnico Lukas Bueno.

De acordo com o treinador, a maior rodagem da adversária não deverá abalar o jogo da piracicabana. “A Joyce está treinando muay thai desde o primeiro dia do ano. Ela está bem, não se preocupou quando soube quem iria enfrentar. Apesar de ser uma estreia, ela está acostumada com a situação, pois treina com atletas muito mais pesados e mais fortes. A adversária terá de lutar muito bem para vencer a Joyce, nós preparamos ela para uma guerra”, afirmou Lukas Bueno.

PERFIL

Além de atleta, Joyce é balconista de padaria e tem uma rotina diária intensa: ela acorda diariamente às 5h e sai do trabalho às 14h, quando inicia os treinos. Depois, vai a Rio das Pedras para o segundo período de treinamento. Ela chega em casa por volta das 22h30. Criada apenas pela mãe, Joyce mora com uma amiga há quase dois anos. Antes, viveu um relacionamento conturbado, no qual sofreu agressões físicas. “Não foi nada fácil para mim. O que eu sofri gerou uma mágoa, uma raiva dentro de mim, mas eu aprendi a descarregar nos treinamentos”, relatou.

Perguntada sobre quais objetivos espera atingir, a piracicabana revelou o desejo de lutar na Tailândia, berço do muay thai. “Poucos atletas chegam lá. É um objetivo e sei que estou apenas começando”, contou. Para alcançar a meta, ela conta com o suporte do treinador, que também funciona quase como psicólogo em situações de dúvida. “De vez em quando, questiono se sou capaz. Antes de ir para luta, você pensa em várias coisas. O papel do treinador é fundamental para esquecer tudo e concentrar na luta. A ansiedade existe, valorizo as minhas conquistas, mas quero mais. Acredito que sou capaz de ir mais longe”, finalizou.

Voltar