fbpx

Líder Esportes

Futebol Americano

Piracicabana é convocada para o Mundial de Flag

Ex-Cane Cutters, Karol Souza disputará a Copa do Mundo na Cidade do Panamá

Karol Souza, jogadora de futebol americano
Karol Souza está de malas prontas para disputar o Mundial de Flag na Cidade do Panamá (Foto: Arquivo Pessoal)

De malas prontas para participar da Copa do Mundo de Flag Football da IFAF 2018 com a seleção brasileira no Panamá. Essa é a realidade que a jogadora piracicabana Karol Souza, ex-atleta dos Cane Cutters e que atualmente defende o Palmeiras, está vivendo. A competição internacional acontece entre os dias 9 e 12 de agosto, no Costa del Este Sports Center, na Cidade do Panamá.

Karol participou do processo seletivo realizado pela seleção brasileira desde novembro do ano passado, quando começaram os training camps em São Paulo, Rio de Janeiro e Campo Grande. Os treinos eram realizados uma vez por mês, aos sábados e domingos. A espera pela convocação final durou seis meses e o resultado foi divulgado no final de maio. Mesmo sabendo da sua capacidade, a atleta tinha consciência do nível de dificuldade.

A trajetória de Karol nos Cane Cutters teve início em janeiro de 2015, logo que surgiu a modalidade na equipe piracicabana

“A cada etapa que saía uma lista das aprovadas, era uma alegria imensa. O nível das meninas era muito alto, elas eram muito experientes. Eu acreditava que tinha chances, mas vi que seria muito difícil”, disse a jogadora. Por ser um esporte amador, a falta de apoio é um dos obstáculos que as jogadoras enfrentam. Para ir ao Mundial, cada uma teve que arcar com as despesas da viagem. As atletas venderam camisetas e rifas, entre outras ações, para levantar o dinheiro necessário.

O flag, uma modalidade adaptada do futebol americano, apareceu de surpresa na vida de Karol. Ela, que sempre gostou de esportes, estava procurando alguma atividade física como lazer, quando viu uma amiga treinando e procurou saber mais sobre o que era. Karol foi convidada para participar de um treino e, desde então, nunca mais parou. “Não sabia nada, nunca nem tinha visto na TV. Fui aprendendo no campo mesmo”, explicou a atleta.

CARREIRA

A trajetória de Karol nos Cane Cutters teve início em janeiro de 2015, logo que surgiu a modalidade na equipe piracicabana. Começou jogando como WR (recebedora) e, em março de 2016, mesmo a contra gosto, foi para a defesa, posição em que joga até hoje no Palmeiras e na qual atuará na seleção. “Posso dizer que estou onde estou porque aprendi tudo no Cutters, nem sabia da existência do esporte. Sou muito grata a todos e é um orgulho representar o interior”, disse.

Com a mudança para o Palmeiras, o ritmo de treinamento também mudou. Agora, segundo Karol, os treinos são menos intensos. Nos Cutters, o trabalho durava de 5 a 12 horas por semana, incluindo as tardes de sábado e, às vezes, os domingos. No clube da capital, a atleta treinava três horas aos sábados. “Aqui o time cresceu junto e com todo esse tempo que passamos juntas, isso aumenta o nosso contato uma com a outra”, destacou a jogadora.

Voltar