fbpx
+ Esportes

Piracicabana é a nova diretora da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem

Em Brasília, Fernanda Bini inicia trabalho na Secretaria Especial do Esporte, do Ministério da Cidadania

Fernanda Bini, advogada especialista em direito esportivo
Fernanda Bini assume o cargo de diretora técnica da ABCD (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

A advogada piracicabana Fernanda Bini é a nova diretora técnica da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), vinculada à Secretaria Especial do Esporte, do Ministério da Cidadania. A informação foi publicada no Diário Oficial da União, no dia 13 de agosto. Fernanda foi convidada para o cargo de confiança pela atual secretária nacional da ABCD, Luísa Parente, ex-ginasta que participou dos Jogos Olímpicos de Seul (1988) e Barcelona (1992). A piracicabana, que teve a nomeação aprovada pela Casa Civil, já está em Brasília (DF) e assumiu o cargo oficialmente com a posse nesta terça-feira (25).

No Distrito Federal, Fernanda terá atribuições como promover, desenvolver e difundir a cultura antidopagem no País, atualizar a lista de substâncias e métodos proibidos, observando os padrões internacionais da Agência Mundial Antidopagem (WADA), elaborar estudos e propostas de educação, coordenar programas pedagógicos, e planejar programas de controle à dopagem, em conjunto com órgãos públicos e privados. “O doping não é apenas sobre esporte de alto rendimento mas especialmente sobre ética em todos os níveis praticados e sobre ética no dia a dia, por meio da propagação dos valores do esporte e isso é algo que o nosso País precisa. É um desafio enorme e vejo tudo isso também como uma excelente ferramenta de transformação social”, disse.

‘ É um passo gigantesco em minha carreira, numa área que sou completamente apaixonada’, disse Fernanda Bini

A piracicabana será responsável pelos setores de educação e operações, por meio da coordenação e supervisionamento dos testes antidoping. “Foi um convite que eu não estava esperando, me surpreendeu de forma muito positiva. É um cargo de tempo integral, uma mudança significativa e uma oportunidade única. Fiquei muito feliz, até porque é um reconhecimento e a expressão de confiança em nosso trabalho, após mais de dez anos trabalhando de forma voluntária em vários tribunais desportivos, inclusive no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) do futebol, e no TJD-AD (Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem). É um passo gigantesco em minha carreira, numa área que sou apaixonada”, destacou a advogada.

Formada pela Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Fernanda é ex-tenista, modalidade que praticou dos 9 aos 24 anos de idade, e foi a primeira atleta profissional de Piracicaba a figurar no ranking da WTA (sigla em inglês para Associação Internacional de Tênis Feminino). Inicialmente a escolha pelo curso de direito teve influência familiar mas foi na faculdade que ela descobriu o direito desportivo e o IBDD (Instituto Brasileiro de Direito Desportivo), onde fez sua pós-graduação em 2008 – pioneira, também foi a primeira piracicabana pós-graduada na área. De lá para cá, Fernanda recebeu inúmeros convites para participar de tribunais – sempre de forma voluntária.

Fernanda Bini, advogada especialista em direito esportivo com ênfase em doping

A piracicabana foi tenista profissional antes de entrar no mundo do direito desportivo (Foto: Líder Esportes)

Após passar pelo badminton, futsal, handebol, vôlei e esportes paralímpicos, Fernanda teve mais contato com a área de doping em 2013, no atletismo. “Senti a necessidade de levar mais informações para os atletas. Eu fui atleta e sei que uma suspensão por quatro anos pode acabar com uma carreira. Então, comecei a estudar e me direcionar mais para essa área”, contou. No direito desportivo, Fernanda foi convidada para compor o primeiro Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem, – ela foi nomeada pela Comissão Nacional de Atletas, então presidida por Lars Grael, dono de duas medalhas olímpicas na vela. Diretora da Doping and Fair Play Consulting, a piracicabana foi secretária geral do IBDD entre os anos de 2016 e 2018, e de 2019 até o momento de sua posse.

DESAFIOS

Perguntada sobre os desafios que terá em Brasília, Fernanda Bini apontou os ramos da educação e da conformidade com os padrões da Wada, além de administrar questões relacionadas à pandemia causada pela Covid-19. “Nosso desafio é desenvolver um plano educacional coerente com o novo padrão internacional da Wada, que entra em vigor em janeiro de 2021. Fazer isso demanda a participação de vários atores: agentes de controle, atletas, clubes, confederações, federações, instituições. Ouvir todos eles será um grande desafio para montar um projeto, um plano adequado à realidade, que atenda as necessidades do Brasil como todo”, afirmou.

“Também será um desafio manter a conformidade, pois existem muitas minúcias nos padrões internacionais da Wada. Administrar tudo isso é importante para que o Brasil não perca a sua conformidade. Se a ABCD não cumprir com esses requisitos, por exemplo, o Brasil pode não participar de uma Olimpíada. A responsabilidade é enorme e temos que continuar funcionando bem. Pessoalmente, outro desafio é morar longe da família (risos), mas estou muito feliz de estar perto de onde as coisas acontecem”, complementou a piracicabana.

Voltar