fbpx
Opinião

Pior rival

*Capa: Ruben Fontes Neto/XV de Piracicaba

O XV de Piracicaba inicia neste sábado (26) a segunda fase do Campeonato Paulista da Série A2. E o adversário é o indigesto São Bento. Para mim, o Nhô Quim deu azar em cair logo contra o Azulão de Sorocaba. Explico: apesar de ser o sexto colocado na fase de classificação, o São Bento tem camisa. É do tamanho do XV, ou seja, uma das mais tradicionais agremiações do interior de São Paulo.

Por isso, foi o pior rival que o Alvinegro poderia pegar neste mata-mata de quartas de final. Com todo o respeito ao Rio Claro, Velo Clube, Linense e Primavera, as outras equipes que ficaram entre o quinto e oitavo lugares e que também estavam na rota do XV de Novembro, mas o São Bento é bem maior que essas citadas.

O Bentão, por exemplo, foi o clube que revelou o zagueiro Luiz Pereira, um dos maiores em sua posição, que fez história no Palmeiras e é uma lenda no Atlético de Madrid. É um clube que tem tradição no Paulistão e nas divisões inferiores (séries B e C) do Brasileiro. É um time, assim como o Nhô Quim, conhecido nacionalmente.

O lado bom é que será um duelo clássico. Piracicaba contra Sorocaba. Aliás, essas cidades, tão próximas, têm uma linda história de rivalidade que vem desde os saudosos embates entre Unimep e Minercal no basquete feminino nos anos 1980 e 90. Embora com melhor campanha, não dá para dizer que o XV é favorito. Se não fizer um bom jogo neste sábado, às 21h, no Walter Ribeiro, pode colocar tudo a perder.

Não vejo a hora da bola começar a rolar. Primeiramente em Sorocaba. E no dia 29, no mesmo horário, aqui em Piracicaba. Time por time, o XV é melhor na minha opinião. Mas quando se coloca tradição em campo, a força do manto zebrado e da camisa azul do Bentão se equivalem. De verdade!

Acredito que o primeiro jogo dirá muito sobre quem passa. Se não perder em Sorocaba, se conseguir trazer pelo menos um empate para Piracicaba, o Nhô Quim terá meio caminho andado. Mas não pode perder, ainda mais por um placar dilatado, ou seja, a partir de dois gols de diferença. Por isso, todo cuidado é pouco. Vamos ver no que dá. O certo é que o vencedor desse duelo se credencia (e muito) ao acesso e à uma das vagas deixadas por Ponte Preta e Novorizontino na A1 de 2023.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportiva

Voltar