fbpx
Jiu-Jitsu

Paulo Santos volta ao tatame com tricampeonato brasileiro

Aos 45 anos, piracicabano faz história na modalidade e ainda fatura mais duas medalhas

Paulo Santos, lutador de jiu-jitsu da Academia Alliance
Paulo Santos: retomada e topo do pódio no Circuito Paulista de Jiu-Jitsu (Foto: Arquivo Pessoal)

Foram sete meses longe dos tatames, em razão da pandemia causada pela Covid-19. No período, com a quarentena e os protocolos de isolamento social, foram possíveis apenas os treinos de corrida e ciclismo para manter o preparo físico. Apesar das dificuldades, o experiente lutador piracicabano Paulo Santos não decepcionou na retomada do jiu-jitsu: foram três medalhas conquistadas nas duas primeiras competições disputadas, entre elas o ouro que rendeu ao atleta de 45 anos o tricampeonato brasileiro pela CBJJE (Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Esportivo).

“O que tenho a dizer sobre o meu desempenho é que estou muito feliz. Após sete meses, a vontade que eu tenho de competir me fez querer lutar muito mais, dar tudo de mim no tatame. Foram duas competições nessa retomada e dois ouros na minha categoria, com o ‘bônus’ pela medalha de bronze no absoluto que conquistei no Brasileiro”, enalteceu Paulo, que disputa a categoria máster 3 leve (-76 kg), faixa roxa, e representa a equipe da Academia Alliance.

‘A pandemia me prejudicou bastante, porque fiquei mais de 40 dias sem nenhum treino e ao voltar estava mais pesado’

A ‘reestreia’ na temporada aconteceu no dia 18 de outubro, no Ginásio Prudente de Morais, em Itu, com a realização da primeira etapa do Circuito Paulista de Jiu-Jitsu, evento promovido pela FPJJ (Federação Paulista de Jiu-Jitsu). O piracicabano disputou duas lutas e venceu ambas sem sofrer um ponto sequer, sagrando-se campeão. No último domingo (25), em Caieiras, Paulo Santos garantiu o tricampeonato nacional no Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu Esportivo e ainda trouxe para casa a medalha de bronze na categoria absoluto.

“A pandemia me prejudicou bastante, porque fiquei mais de 40 dias sem nenhum tipo de treino e ao voltar estava mais pesado. Essa foi a primeira dificuldade que encontrei. Em relação aos protocolos, tanto a FPJJ quanto a CBJJE fizeram os eventos seguindo as normas de segurança, com o uso obrigatório de máscaras no recinto e ofertando álcool em gel. É a nova realidade”, concluiu Paulo. Em 2020, o lutador tem mais dois desafios programados: o Grand Slam, no Rio de Janeiro, e o Mundial CBJJE, em São Paulo. Ambas competições serão realizadas em dezembro.

Voltar