fbpx
Opinião

Os quatro

*Capa: Rubens Chiri/São Paulo FC

Ao final da fase de classificação do Campeonato Paulista, os quatro grandes clubes se garantiram na fase mata-mata da competição. Corinthians, Palmeiras e Santos estavam assegurados antes de a bola rolar nesta quarta-feira (20) à noite, mas o São Paulo ainda precisava confirmar a vaga. E foi no sufoco! Empatou no ABC contra o São Caetano por 1×1 e avançou. Agora, teremos duelos de grandes contra pequenos: Red Bull x Santos, Palmeiras x Novorizontino, Corinthians x Ferroviária e Ituano x São Paulo.

Serão duas partidas, em ida e volta, para se conhecer os semifinalistas. O Red Bull, melhor time da primeira fase, com 27 pontos ganhos, encara o Santos, que fechou a etapa de classificação com 23 pontos e a terceira melhor campanha. A lamentar somente o fato de que o RB deve abrir mão de atuar em Campinas para jogar as duas partidas no Pacaembu. O Palmeiras, segunda melhor campanha, com 25 pontos, é muito favorito diante do Novorizontino. Porque é mais time e também porque irá decidir em casa, no Allianz Parque. O duelo inicial será em Novo Horizonte. A curiosidade é que será a terceira vez seguida que o Verdão encara o Tigre nas quartas de final do Paulistão.

Assim como o Palmeiras, o Corinthians também não deverá ter dificuldades diante da Ferroviária. O Alvinegro vem crescendo de produção nos últimos jogos e tem tudo para seguir na competição. O primeiro duelo será na Arena da Fonte, em Araraquara, e o segundo na Arena Corinthians. As emoções ficaram com o São Paulo, que mesmo somente empatando diante do São Caetano, assegurou classificação como segundo colocado de seu grupo. Agora, pega o bom Ituano, que decide em seus domínios, em Itu.

Embora seja uma competição com sucesso de público, muito em virtude de Palmeiras e Corinthians dentro de suas casas, o regulamento chega a ser patético. A Ponte Preta, quinta melhor campanha do Estadual, com 19 pontos, não ficou entre os oito classificados. A Macaca foi melhor que São Paulo, Ferroviária e Ituano. Algo tem de mudar, pois, assim, a credibilidade da competição corre riscos.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar