fbpx
Opinião

O ano do Palmeiras?

*Capa: Palmeiras/Divulgação

É essa pergunta que todo palestrino está fazendo nestes dias. Um time tão forte, ainda mais poderoso em relação aos elencos campeões de 2015 e 2016, seria capaz de passar novamente vergonha, igual ao ano passado, quando passou em branco em termos de conquistas? O time de Roger Machado contratou o que há de melhor no mercado interno e passa a ser o favoritíssimo em todas as competições que vai disputar na temporada: Campeonato Paulista, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Copa Libertadores.

Afinal, quem tem em seu grupo jogadores da qualidade de Fernando Prass, Wéverton, Marcos Rocha, Edu Dracena, Emerson Santos, Diogo Barbosa, Felipe Melo, Moisés, Gustavo Scarpa, Guerra, Lucas Lima, Dudu, Borja, Willian e Keno, não pode ser visto apenas como mais um. O desafio de Roger será a escolha dos 11. Vou ajudá-lo. Depois que todos estiverem à disposição, a equipe titular deverá ser esta: Jaílson; Marcos Rocha, Edu Dracena, Emerson Santos e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Moisés, Gustavo Scarpa e Lucas Lima; Borja e Willian. Nada mal. Uma verdadeira seleção!

Se não houver vaidade ou desavenças no vestiário, afinal, ficarão no banco craques como Fernando Prass, Dudu, Guerra e Keno, só para citar alguns, o ano tem tudo para ser do Alviverde. Logicamente, o futebol não é uma ciência exata, mas, com um elenco deste, o Palmeiras se credencia às conquistas em 2018. Diria que somente na Copa Libertadores a equipe tem, hoje, adversários tão poderosos. E digo isso sempre na teoria, no papel.

O Boca Juniors e o River Plate são times que devem dar trabalho ao clube brasileiro. Para mim, são os três mais fortes na competição sul-americana deste ano. Evidentemente, os brasileiros Cruzeiro, Flamengo e Corinthians também não estão descartados e são fortes na luta pelo título, mas em um degrau abaixo. A verdade é que o palmeirense vive uma grande expectativa. Sabe que esse ano dificilmente o time ficará sem levantar uma taça. Mas se não ganhar nada, terá de aguentar a ‘zoação’ da concorrência, que será grande. É uma mistura de sentimentos…

A ideia da diretoria e da patrocinadora do Palmeiras é chegar ao Mundial de Clubes no final do ano. Para isso, a Libertadores torna-se prioridade novamente. Se esse planejamento dará certo, só saberemos ao final da temporada. Porém, a expectativa é das melhores para o torcedor palmeirense. Agora é esperar para ver.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar