fbpx
Opinião

Novo comando; velhos problemas

*Capa: Rodrigo Coca/Agência Corinthians

O Corinthians começou a semana cheio de esperança com a estreia do técnico Sylvinho diante do Atlético-GO, na abertura do Campeonato Brasileiro. Mas perdeu em casa por 1×0, no último domingo (30), e com um pênalti incrivelmente perdido. Nesta quarta-feira (2), outra partida diante do Dragão Goianiense, agora pela Copa do Brasil, e uma derrota ainda mais doída para a Fiel Torcida: 2×0, também em Itaquera, fora os ‘ameaços’.

A verdade é que o Timão trocou o comando técnico, mas manteve os mesmos problemas vistos nos últimos anos: uma equipe sem inspiração, sem triangulação, sem profundidade pelos lados, sem um meia que pense o jogo, sem um 9 de qualidade e com uma defesa que mais parece uma ‘peneira’. Ou seja, tudo como antes. Um time apático e sem criatividade dentro das quatro linhas.

Sylvinho terá muito trabalho para tentar deixar o Corinthians pelo menos competitivo. Sem experiência à beira do campo, o novo comandante tem um desafio e tanto diante de um grupo fraco e sem poder de reação. Com o revés da Copa do Brasil no jogo de ida, com dois gols atrás, o clube praticamente dá adeus a mais uma competição no ano, depois do Campeonato Paulista e da Copa Sul-Americana.

Sem dinheiro para investir, com salários atrasados e com uma dívida de quase R$ 1 bilhão de reais, sem contar o débito da Neo Química Arena, o Alvinegro terá de se superar. O próprio Sylvinho, em sua chegada, já disse que o time “irá oscilar na tabela”. Assim, não há o que fazer: quando o próprio comandante diz que sua equipe não irá ganhar nada na temporada, o desânimo da torcida aumenta.

Há ainda um detalhe muito importante: Sylvinho não era unanimidade nem entre a própria diretoria corintiana, que tentou Renato Gaúcho e Diego Aguirre antes de acertar com o plano C. E, pela nova regulamentação do Brasileiro, os clubes só poderão trocar uma vez de treinador até o final da competição, em 5 de dezembro. Vamos ver se o novo comandante do Alvinegro consegue chegar até lá.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar