fbpx

Líder Esportes

Karatê

No Equador, seleção tenta confirmar favoritismo

Seleção Brasileira disputa Sul-Americano; preparação aconteceu em Piracicaba

Seleção Brasileira Feminina de Karate
A seleção brasileira feminina encerrou a preparação para o Sul-Americano em Piracicaba (Foto: Líder Esportes)

A seleção brasileira de karatê está no Equador para a disputa do Campeonato Sul-Americano de Karatê, que reunirá as categorias sub-14, cadete, júnior, sub-21 e sênior em Guayaquil, de 23 a 29 de abril. A pesagem oficial acontece nesta quarta-feira (25), com o início da competição previsto para quinta-feira (26). Na última semana, quatro atletas da seleção vieram a Piracicaba realizar os ajustes finais para o evento: Isabela dos Santos (+68 kg), Jéssica Linhares (-50 kg), Stéphani Trevisan (-61 kg) e Valeria Kumizaki (-55 kg).

“O Brasil tem um desempenho bastante positivo nos últimos campeonatos sul-americanos e pan-americanos. O retrospecto nos faz chegar ao Equador como favoritos, não tem como ser diferente, e encaro isso como algo positivo”, afirmou Diego Spigolon, técnico da seleção brasileira. “A caminhada na categoria sênior é para conquistar vagas olímpicas. O Sul-Americano é duro, tem atletas bons, mas temos plenas condições de sermos campeões”, completou o treinador.

A delegação brasileira completa chegou a Guayaquil nesta terça-feira (24). A hospedagem de atletas e comissão técnica será custeada pelo COB (Comitê Olímpico Brasileiro), em parceria com a CBK (Confederação Brasileira de Karate). “A importância do Sul-Americano é grande devido aos pontos que concede para o ranking nacional, pensando em classificação para o Mundial. Além disso, é um caminho para os atletas conseguirem a Bolsa Atleta pelo Ministério do Esporte.

MONITORAMENTO

Fisioterapeuta da seleção brasileira, Charlini Hartz acompanhou os treinos realizados em Piracicaba e disse que as atletas chegam ao Equador em boas condições. “A semana foi bastante produtiva. Monitoramos as cargas de potência, percepções de esforço e escalas psicométricas. Isso é muito importante para direcionar o trabalho, que é feito em conjunto com o técnico Diego (Spigolon). São fatores que contribuem para que as atletas cheguem ao Sul-Americano podendo render o máximo possível”, disse.

Segundo a fisioterapeuta, o piracicabano Hernani Veríssimo também chega em alto nível a Guayaquil e está recuperado de uma lesão no ombro direito que o deixou seis meses no ‘estaleiro’. “Ele está bem. Não é a primeira competição do Hernani e claro que o retorno não é um processo rápido, mas ele está voltando a pegar ritmo, participar de competições, e essa fase é importantíssima. Nós acreditamos que ele tem condição de conquistar um bom resultado no Equador”, finalizou.

Voltar