fbpx

Líder Esportes

Opinião

Não se ganha de véspera

Definitivamente, não se ganha de véspera no futebol. Menos blá, blá, blá e mais trabalho Flamengo! O ‘outro patamar’ precisa se reinventar. A eliminação diante do bravo Athletico-PR nesta quarta-feira (27), por 3×0, no Maracanã, pela semifinal da Copa do Brasil, mostra que não basta somente ser o melhor. É preciso provar ser o melhor.

Não gosto de gente arrogante. Então, eu quero distância de quem é assim. Não faço nenhuma questão de conviver com gente assim. Há uma passagem bíblica que diz que “a soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda”. Humildade não faz mal a ninguém. Renato Gaúcho é arrogante; Bruno Henrique é arrogante; e o presidente Rodolfo Landim é o arrogante-mor. Em um esporte de alto rendimento, profissional, não se pode agir assim. Definitivamente!

Que o Flamengo é a melhor equipe do Brasil, todos sabem. A imprensa esportiva sabe, o torcedor rubro-negro sabe, o rival do Rubro-Negro sabe. Mas esse já ganhou que sai de dentro da Gávea, de dentro do Ninho do Urubu, é inaceitável. É um time “desumilde”, como dizem no melhor estilo do coloquialismo português, e isso provoca a antipatia do torcedor brasileiro em geral.

Melhor para o Furacão, que fez uma partida impressionante na defesa e letal no ataque. Memorável partida. De almanaque, como dizem. Aproveitou o nervosismo do Mengo e fez a festa no ‘maior estádio do mundo’ com o atacante Nikão, autor dos dois gols do time curitibano, como o destaque da partida.

Foi uma aula de tática de Alberto Valentim, diga-se de passagem. Trabalho no melhor estilo da vencedora escola do basquete dos Estados Unidos, que tem como premissa uma defesa fortíssima e uma transição ao ataque com muita rapidez e eficiência. Lembro-me de um jogo, nos anos de 1990, em que o Brasil jogava contra Dream Time e fez incríveis e somente quatro pontos no primeiro tempo inteiro. Vinte minutos para fazer míseros quatro pontos! Defesa agressiva. Assim como o Athletico-PR fez.

Com a épica vitória, o Furacão buscará o bicampeonato da Copa do Brasil contra o favorito Atlético-MG, do atacante Hulk, que despachou o Fortaleza. Já o Flamengo, sem o segundo mais importante torneio nacional e possivelmente sem o Brasileirão também, irá apostar tudo na final da Libertadores no dia 27 de novembro, no lendário Estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai. Que jogue mais e fale menos, por que o Palmeiras também quer a taça.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar