fbpx
Kickboxing

Motivado, Isaias quer o bicampeonato em Cancún

Lutador de Piracicaba afirma estar preparado para repetir título pan-americano

Isaias Silva, lutador piracicabano de Kickboxing
Isaias defende o Brasil no Campeonato Pan-americano de kickboxing (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

Isaias Silva está preparado para buscar em Cancún, no México, o bicampeonato pan-americano de kickboxing. O lutador de Piracicaba, campeão em 2014 na categoria light (tatame) 57 kg, tenta repetir entre os dias 26 e 30 de outubro a façanha alcançada dois anos atrás em Corrientes, na Argentina. Na atual temporada, o atleta do grupo Company Top Fight/Fit Life/Bomber participa da competição em  duas modalidades: low kick (ringue) e kick light (tatame), ambos 57 kg.

“Desde o começo do ano, digo que é o evento quero disputar. Eu me programei para o Pan-americano, toda a preparação deste ano, no circuito amador, foi voltada para isso. A minha expectativa é de fazer lutas duríssimas. Sei que os argentinos são muito bons, os mexicanos também, então devo enfrentar são excelentes lutadores. A pressão vai existir, mas preparado eu estou. Para ganhar de mim, terá de ser por nocaute”, disse Isaias, que está em fase final de recuperação após uma lesão sofrida no pé direito durante a Copa do Brasil.

Perguntado sobre a possibilidade de as dores atrapalharem seu desempenho em Cancún, Isaias se mostrou otimista. “Depois que voltei da Copa do Brasil, eu tive duas semanas de descanso para me recuperar. Ainda não estou 100%, mas voltei a treinar, estou focado e preparado para lutar. O pé dói, mas é uma dor suportável, acredito que não vai interferir na luta. Além disso, tenho ainda quase um mês pela frente e estou prevenindo nos treinos”, afirmou o atual tetracampeão da Copa do Brasil.

MOTIVAÇÃO

No México, Isaias sabe que terá a responsabilidade de tentar o bicampeonato do Pan. Porém, o lutador assimila a ‘pressão’ como forma de motivação para repetir a façanha. “Encaro isso com naturalidade, mas sei que tenho que fazer um pouco a mais do que fiz antes, na Argentina. Como fui campeão, a pressão existe para repetir o resultado, por representar a seleção brasileira. Quero fazer melhor do que eu fiz e vou matar um leão por dia para trazer o título para casa”, completou.

 

Voltar