fbpx
Muay Thai

Mangue Seco atinge kruang preto no muay thai

Aos 57 anos, piracicabano tem trajetória impressionante em várias modalidades esportivas

O atleta de kickboxing Mangue Seco e o treinador Wilson Teodoro
Mangue Seco e Wilson Teodoro: parceria antiga que rendeu frutos no esporte (Foto: Arquivo/Líder Esportes)

Exemplo de superação, o piracicabano Vitor Wagner ‘Mangue Seco’, apelido que ganhou na capoeira, subiu mais um degrau na longa carreira que está construindo no esporte. Aos 57 anos, o veterano atleta alcançou o kruang preto no muay thai, concedido pelo mestre Wilson Teodoro. A cerimônia de graduação ocorreu no último fim de semana, em evento realizado no clube da AFPMP (Associação dos Funcionários Públicos Municipais de Piracicaba). “A idade é uma motivação para mim. A molecada segue o meu exemplo e isso me deixa orgulhoso. O importante é fazer esportes sempre”, afirmou.

A trajetória de Mangue Seco no esporte começou quando ele tinha apenas 8 anos, idade em que começou a se destacar na prova dos 400 m com barreira. Velocista, ele passou quase dez anos no atletismo antes de se dedicar ao futebol. Na bola, chegou a ser profissional e defendeu o Rio Claro, na posição de zagueiro, mas logo deixou o gramado para treinar kung fu.

Há mais de 40 anos, Vitor Wagner conheceu a capoeira, expressão cultural da qual é mestre e referência em Piracicaba e Região. No esporte, ganhou o apelido carinhoso de Mangue Seco. A capoeira, porém, não foi o ‘último ato’ do piracicabano: dez anos atrás, ele passou a treinar kickboxing, modalidade em que coleciona títulos.

Nos ringues e tatames, foram mais de 60 medalhas e três cinturões antes da transição para o cargo de treinador. Agora, no muay thai, o atleta quer ampliar e transmitir conhecimento. “A gente tem que tirar o chapéu para ele. O Mangue é um exemplo a seguir. É um cara que treina forte, muito disciplinado. Vejo ele como professor, ensinando o que agora está aprendendo. Sempre falo que é um exemplo a ser seguido. É um privilégio ser o professor de um atleta como ele”, elogiou Wilson Teodoro.

Voltar