fbpx
Lutas

Lenda do UFC, Henry Cejudo participa de treino em Piracicaba

Campeão olímpico e dono de dois cinturões do UFC acompanha trabalho de Bruno Bulldog

Henry Cejudo, lutador dono de dois cinturões do UFC e campeão olímpico em Pequim 2008
Cejudo é dono de dois cinturões do UFC e campeão olímpico em Pequim 2008 (Foto: Líder Esportes)

Henry Cejudo é uma lenda do esporte de combate. Campeão olímpico em 2008, nos Jogos de Pequim, ele derrotou o japônes Tomohiro Matsunaga na disputa pelo ouro e se tornou o mais jovem lutador americano a conquistar o feito, aos 21 anos. Em 2013, Cejudo deu outro salto na carreira: deixou a luta olímpica para ingressar no mundo do MMA, onde aumentou as glórias. No UFC, principal organização da modalidade, arrebatou o cinturão dos moscas e dos galos, derrotando nomes como Dominick Cruz, Demetrious Johnson, Marlon Moraes e TJ Dillashaw.

Atualmente com 33 anos, Cejudo anunciou a aposentadoria no último mês de maio, após a realização do UFC 249. De lá para cá, ele planeja o futuro com olhar empresarial. A lenda americana está em Piracicaba para acompanhar o amigo e companheiro de treino Bruno Silva, o Bulldoguinho, piracicabano que está no UFC. Nesta terça-feira (18), a dupla participou de atividade realizada na Academia Felipe Vidal, que também contou com a presença de Gustavo Piacentini, piracicabano campeão brasileiro profissional de kickboxing. Em entrevista ao LÍDER, Cejudo falou sobre a carreira, o que espera de Bulldoguinho e os planos que têm. Confira:

PIRACICABA

“É a segunda vez que venho a Piracicaba. Geralmente, viajo para o Brasil duas ou três vezes por ano e pela segunda vez venho a Piracicaba. O nível que encontrei e que existe aqui é bom, vim mais para ajudar o Bruno. Piracicaba tem bons treinadores, tem tudo aqui, mas a minha vinda é para dar o suporte ao Bruno com relação à estrutura. As pessoas aqui tem uma boa base, mas é importante essa estrutura para o MMA. É por isso que estou aqui”.

BRUNO BULLDOG

“Nós temos uma relação antiga já. É um lutador com potencial, pode evoluir. No UFC, eu também perdi duas lutas seguidas (Demetrious Johnson e Joseph Benavidez) e quando voltei, ganhei todas. São fases. Agora tenho dois cinturões, defendi ambos e me mantive como campeão. Sei quem sou e como consegui. O plano que eu tenho é ajudar Bruno com estrutura e mentalidade. Ele é um cara de cabeça boa, que as vezes precisa de um toque, mas isso é normal. E o Bruno ouve sempre, o que ajuda muito”.

Felipe Vidal, Henry Cejudo, Bruno Bulldog e Gustavo Piacentini

Felipe Vidal, Henry Cejudo, Bruno Bulldog e Gustavo Piacentini treinam em Piracicaba (Foto: Líder Esportes)

FUTURO

“O que eu penso para o meu futuro é começar a fazer negócios, construir casas. É importante fazer dinheiro com tudo o que eu consegui. Na verdade, mais do que os troféus e as medalhas de ouro, coisas assim, eu gosto mesmo é da minha liberdade. Amo isso. Agora, também tenho feito filantropia. Tento mostrar as qualidades que eu tenho. Isso é parte de um campeão, ele precisa acreditar no que faz. É também uma visão de negócio: como eu posso ganhar a próxima luta que eu tenho? Penso sempre assim”.

BRASIL

“Acredito que pode voltar ao topo sim, vejo uma nova geração brasileira, tem o Deiveson Figueiredo (campeão peso mosca) que já ganhou, tem também a Amanda Nunes (campeã peso pena e peso galo) que vem ganhando. Não quero dizer que seja um problema dos brasileiros, mas os caras da América (Estados Unidos) e da Rússia são f…  Eles crescem sabendo lutar, tem um sistema para isso”.

Voltar