fbpx
Kickboxing

Jhonatan Teodoro tenta fechar ‘ano dourado’

Dono de três títulos em 2017, atleta disputa Jogos Abertos e Sul-Americano

Jhonatan Teodoro, atleta de kickboxing da Company Top Fight
O piracicabano Jhonatan Teodoro é atleta de kickboxing da Company Top Fight (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

Colecionador de títulos, o lutador piracicabano Jhonatan Teodoro, 21, entra na reta final de 2017 com dois objetivos: Jogos Abertos do Interior e no Campeonato Sul-Americano. As duas competições serão realizadas no intervalo de uma semana, em novembro. O atleta da Company Top Fight descarta o favoritismo e aposta no trabalho diário para aumentar o número de conquistas no currículo. Poupar esforços também é algo que não faz parte do planejamento do piracicabano.

Em 2017, Jhonatan já faturou os títulos brasileiro, da Copa do Brasil e o ouro nos Jogos Abertos do Paraná

“O segredo é treinar diariamente e respeitar os adversários, pois eles têm o mesmo objetivo. Eu procuro pensar luta a luta. Vou dar o melhor nos Jogos Abertos e se eu tiver alguma lesão, pouco importa. No Sul-Americano, vou usar aquilo em que eu estiver bem. Machucar é normal na vida de atleta. Depois, você melhora. Já tive lesões e sempre me recuperei. Minha expectativa é positiva, estou confiante”, disse Jhonatan. O lutador espera repetir no ABC, sede para os Jogos Abertos de 2017, o duelo contra o xará Jhonatan Silva, de São Bernardo do Campo, seu algoz em 2016.

“É uma luta que quero fazer, sim. No ano passado, eu perdi para ele e ficou engasgado. Quero enfrentá-lo. Mas, claro, existe bastante respeito”, afirmou. A conquista dos Jogos Abertos do Interior e do Sul-Americano significariam o desfecho perfeito para a temporada do piracicabano. Em 2017, Jhonatan Teodoro já faturou os títulos do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil, além da medalha de ouro nos Jogos Abertos do Paraná, quando representou a cidade de Carambeí.

TRAJETÓRIA

Jhonatan Teodoro começou no muay thai aos 6 anos, influenciado pelo pai, o treinador Wilson Teodoro, líder da equipe Company Top Fight. O início na luta foi apenas por hobby, mas, após uma passagem curta e sem sucesso pelo futebol, Jhow, como é chamado na equipe, voltou a lutar. Desta vez, com mais empenho. “Quando voltei, passei a treinar kickboxing também. Eu estava mais focado, passei a me dedicar mais ao esporte e comecei a competir aos 13 anos”, contou o atleta.

Aos 18 anos, na estreia da categoria adulta, o piracicabano encarou logo o Mundial da Wako (sigla em inglês para Associação das Organizações Mundiais de Kickboxing). Em Rimini, na Itália, o piracicabano trouxe o bronze na categoria 63,5 kg low kicks para casa. “Foi algo incrível, uma conquista de extrema importância em minha vida. O Mundial foi a primeira vez que saí do país, nunca tinha vivido isso. Fui sozinho, lutei e consegui o terceiro lugar, com 18 países na chave. Uma conquista excelente”, finalizou.

Voltar