fbpx
Opinião

Faxina geral

A eliminação do XV de Piracicaba no Campeonato Paulista da Série A2, da forma que foi, goleado em casa pelo São Bento, tem de ser explicada ao torcedor alvinegro. Não se pode admitir o que se viu na última terça-feira (29), no Barão da Serra Negra. Foi uma das mais humilhantes derrotas da história do clube em seus domínios.

Não se pode tirar os méritos do São Bento, que fez 5×1, mas poderia ter feito mais. Porém, atuar contra um time sem vontade, sem alma e sem futebol fica mais fácil. Esse foi o XV de Piracicaba. Apático, nervoso, sem qualidade e sem inspiração; tudo isso culminou no fim do sonho da Série A1, que mais uma vez foi adiado.

Inconformada, a torcida, via redes sociais, pede a limpeza geral no elenco. E na direção do futebol. É uma goleada para derrubar todo mundo, pregam os mais radicais. Não diria que está tudo errado. Porém, uma resposta deve ser dada à torcida; à cidade… O elenco, naturalmente, será desfeito, pois a maioria dos atletas tem contrato até o dia 30 de abril. Mas não é só. A comissão técnica, liderada pelo professor Roberto Cavalo, realizou um bom trabalho na minha visão. No entanto, o desgaste dos 5×1 em pleno Barão deixa inviável sua permanência no segundo semestre.

E muito do que pesa contra o treinador foi a forma como a equipe jogou em Sorocaba, com um jogador a mais praticamente a partida inteira. No futebol de hoje, um a mais faz uma grande diferença. Mas o time piracicabano e, por tabela, o treinador, não tiveram a competência aproveitar essa vantagem. O erro ficou mais escancarado no jogo de volta, quando o São Bento deitou e rolou a partir do momento em que ficou com um jogador a mais, após a exclusão do lateral Capa, que havia acabado de entrar na partida.

A partir da expulsão do lateral, o Bentão, que já vencia por 2×1, fez mais três gols e perdeu oportunidades para marcar mais. Assim, comparando as posturas das duas equipes no 11 contra 10, fica notório que o XV errou feio. E para terminar: se a maioria do elenco não permanecerá e a comissão técnica também não deverá seguir no clube, agora resta saber se o comando do futebol segue normalmente. Marco Gama deve ser cobrado por suas decisões também. Com a palavra o presidente Rodolfo Geraldi.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar