fbpx
Karatê

Favorita, Piracicaba busca título em São Carlos

Equipe piracicabana vai ao evento com 19 atletas; Natalia Brozulatto retorna

Natalia Brozulatto, atleta de karatê da academia Sport Way
Natalia Brozulatto volta a lutar após a gravidez: atleta viaja com expectativa positiva (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

Invicto desde 2013, quando o técnico Diego Spigolon assumiu as equipes feminina e masculina, o karatê piracicabano será representado por 19 atletas (11 homens e oito mulheres) na 62ª edição dos Jogos Regionais de São Carlos, que começou nesta terça-feira (3) e termina dia 14 de julho. O grupo é experiente e conta com atletas da seleção brasileira sênior (adulto), que brigam por uma vaga nas Olimpíadas de 2020, em Tóquio, e pela liderança do ranking nacional. Assim, a expectativa é voltar para casa com mais dois títulos.

“Piracicaba tem um trabalho muito forte. Os atletas têm se preparado para competições internacionais e os Jogos Regionais também fazem parte dessa etapa. Nós estamos muito conscientes da nossa capacidade e tenho certeza que o trabalho vai dar certo”, destacou Diego Spigolon, que também comanda a seleção brasileira. Perguntado sobre o nível da competição, o treinador coloca Piracicaba como favorita, mas não vê os Jogos da 3ª Região Esportiva entre os mais difíceis do Estado.

“Nós temos duas ou três cidades que sempre têm boas equipes, como é o caso de São Carlos (sede), Jaú e também Bauru, que às vezes traz alguns atletas de fora”, afirmou Spigolon. “Acho que a nossa região não é das mais fracas, mas também não é a mais forte de São Paulo, como a região que engloba Santos, São Bernardo do Campo e São Caetano, que tem um nível de competitividade maior”, explicou o técnico piracicabano.

RETORNO

Os Jogos Regionais também marcam a volta da atleta Natalia Brozulatto aos tatames, após a segunda gravidez. Com uma gestação saudável, a atual campeã dos Jogos Pan-Americanos treinou até a 38ª semana. As expectativas são positivas, apesar dos desafios. “Recomeçar nunca é fácil. O mais doloroso é superar esse primeiro trimestre, resistir e persistir, porque depois eu pego o ritmo, engreno e as coisas voltam ao normal. Eu sou atleta de alto rendimento e não gosto de perder, nenhum atleta gosta. A expectativa é de fazer uma boa competição, boas lutas e tentar me soltar o máximo que eu conseguir”, disse Natalia.

Voltar