fbpx
Opinião

Eu quem?

*Capa: FA/Reprodução

Negresco; Avatar, Abelha, Farinha e Playboy; Mingau, Bodão e Pitoco; Halls, Mãozinha e Konga. Os nomes parecem tudo, menos a escalação de um time de futebol. Porém, na Copa São Paulo de Futebol Júnior, qualquer coisa é possível. O tradicional torneio paulista que reúne times do país inteiro é uma festa dentro e fora de campo. É uma infinidade de meninos sonhando com o estrelato. O nome é o de menos. Afinal de contas, quem nunca sonhou em ser um jogador de futebol? Virou até música essa pergunta. Se até eu, com toda a minha ruindade, quis ser um, imagina quem conhece da arte? Fui um bom goleiro de futsal, sem falsa modéstia. Tive algumas conquistas, é verdade, mas profissional que é bom nada.

Em meio a esse sonho, vêm as histórias da Copa São Paulo, que são emocionantes, de superação, de garra, de luta, etc. Mas também existem suas curiosidades, como os nomes e apelidos bizarros. Tá certo que eu não sou exatamente a pessoa mais indicada para falar do nome alheio, mas, enfim, vamos lá. O mais importante é que essa peculiaridade faz parte do folclore da Copa São Paulo. Todo ano, as pessoas já se preparam para rir com os nomes e apelidos, digamos, diferentes. Não chega a ser bullying, porque o jogador em questão está tão feliz de estar na Copinha que nem liga para isso. Mas as mamães e os papais poderiam ajudar também…

Além dos já descritos acima, eu destaco alguns nomes de ex-jogadores do passado que inspiraram os apelidos dos meninos. A Desportiva-PA tem o Asplilia (é assim mesmo que se escreve a homenagem ao colombiano, ex-jogador do Palmeiras); o Sergipe tem o Biro-Biro; o craque do Timon-PI é o Ganso e o Ka Ka (separado) está no São Raimundo-RR. Mas quem está bem mesmo é o Cruzeiro-DF, com o Rivelino, e o Estanciano-SE, que conta com o Gullitt. Agora, o São José-RS se superou, pois conseguiu reunir o Tafarel e o Eto’o no mesmo time!

E não para por aí. A criatividade e a irreverência são marcas da juventude. Jogador de futebol e jovem, então… é trairagem pura e cristalina! O Criciúma, por exemplo, tem em seu plantel o Bozó, como é conhecido o jogador Lucas Antonio da Silva Soares. O ex-craque da NBA, Jordan, empresta seu nome para um atleta do Madureira. Até uma personalidade política se faz presente no Boavista, no caso o Rusevel (pois é, com essa grafia), assim como o Bam Bam, filho do Fred, do desenho Os Flintstones, que defende o Volta Redonda.

Ah, já ia me esquecendo do Mocorongo, do Espeto, do Darling, do Trinca, do Branquelo e do Julianderson. Todos também estão na Copinha. Assim como Regys Brayon, 6D, Motor, Cacimbinha, Parrudo, Cego, Caboco e Padola. Mas não há problemas. É o de menos, como disse. O mais importante é chegar ao objetivo. Quando esses craques chegarem à Seleção Brasileira, aqueles que tiram o sarro hoje certamente estarão aplaudindo e reverenciando nossas estrelas. É esperar pra ver!

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar