fbpx
Kickboxing

Em Foz, meninos sonham com título continental

Grupo comandado pelo piracicabano Julio Costa disputa o Sul-Americano

Julio Costa, professor de kickboxing na academia Brock Team Fighters
Julio Costa e os 'pupilos': expectativa de medalha nos Campeonato Sul-Americano (Foto: Líder Esportes)

Comandados pelo treinador Julio Costa, 34, quatro garotos da equipe piracicabana Brock Team Fighters embarcam na próxima quarta-feira (29) rumo a Foz do Iguaçu. No Paraná, o quarteto disputa o Campeonato Sul-Americano de Kickboxing, principal competição continental da modalidade no circuito amador. Formado pelo mestre Wilson Teodoro, Costa mantém o trabalho há dois anos. No período, as dificuldades foram superadas com responsabilidade e sacrifício: para viajar ao Sul do país, a equipe pediu ajuda no semáforo e vendeu pizzas, por exemplo.

“Primeiramente, cobro disciplina e procuro saber como eles (atletas) estão na escola. Depois, fazemos um trabalho para cuidar da alimentação e do aspecto psicológico. Nos treinos, nós focamos mais a parte técnica da modalidade que eles vão lutar e, dois meses antes da competição, preparamos um trabalho mais específico. O foco na fase final de preparação também se divide com a perda de peso e isso inclui o acompanhamento de uma nutricionista (Cristiane Brito). Nós realizados o trabalho correto para não prejudicar em hipótese alguma a saúde deles”, contou o treinador.

O quarteto escalado para Foz do Iguaçu é formado por Isac Lucca, que vai disputar as categorias light contact e kick light, 15 anos (-52 kg); Luiz Gustavo Almeida dos Santos, light contact e kick light, 15 anos (-42 kg); Matheus Ruiz da Costa, point fight, 12 anos (-42 kg); e Davi Martinucho, point fight, 12 anos (-47 kg). A expectativa pelos resultados é boa. “São meninos com um desempenho muito bom. É a primeira competição de nível internacional para todos eles. No Brasil, eles conhecem a maioria dos oponentes. Agora, a situação é um pouco diferente. Tenho assistido muitos vídeos para montar o planejamento ideal para eles”, afirmou Costa.

Julio Costa, professor de kickboxing na academia Brock Team Fighters

Julio Costa é responsável pelo desenvolvimento do trabalho na Brock Team Fighters (Foto: Líder Esportes)

O técnico ressalta o amadurecimento dos alunos, mas não esconde que ainda há bastante para aprender. “São crianças, né? (risos). Às vezes, precisam de um puxão de orelha, mas são crianças fantásticas. Nos orgulha muito saber que o kickboxing fez a diferença na vida de cada um deles”, comentou. Segundo Costa, o esporte representa para os garotos uma ferramenta de educação. “Hoje, temos 25 atletas que competem o kickboxing. Nós temos alguns alunos que não têm condições de pagar, então fizemos um projeto para trazê-los para cá sem custo. O que eu cobro é a disciplina em casa e na escola, principalmente. Conseguimos mostrar o caminho correto para eles”, disse.

Entre os meninos, o clima é de confiança. E de controlar as vontades, também. “Estou bem tranquilo e treinando bastante para trazer uma medalha. O objetivo é o pódio, mas vou tentar o ouro. Agora é fechar a boca e cortar refrigerante. De vez em quando, levo uma bronca, mas consigo segurar (risos)”, disse Isac, atual campeão da Copa Brasil. Matheus segue a mesma linha de raciocínio, com um ingrediente a mais: ele é filho do treinador. “Meu pai exige bastante. Ele dá algumas dicas, me ensina muito”. A dificuldade é a mesma: alimentação. “Essa coisa de não poder comer tudo o que gosto é ruim, viu? Não posso tomar açaí ou sorvete, nem beber refrigerante”, comentou.

Para Davi, o Sul-Americano será mais um degrau na carreira. “É a minha primeira competição internacional e a expectativa é boa. Estou treinando muito e já perdi bastante peso. Aprendi que para alcançar meus objetivos, não adianta esperar de ‘mão dada’. Tem que conquistar e eu estou conquistando aos poucos. Eu já levei algumas broncas (risos), mas quando você se acostuma a viver com disciplina, não é difícil. Estou bem preparado”, disse. Mais tímido, Luiz Gustavo quer ir além do título. Em poucas palavras, ele resumiu o sonho dos garotos. “Meu pensamento é um dia chegar ao WGP, disputar um cinturão e ser conhecido”, finalizou.

Voltar