fbpx

Líder Esportes

Kickboxing

Em boa fase, Piacentini estreia no Pan-americano

Lutador piracicabano embarca confiante para o México nesta terça-feira (25)

Gustavo Piacentini, lutador de kickboxing
Piacentini recebe as orientações do técnico Wilson Teodoro (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

Bem preparado e confiante. Assim deve embarcar Gustavo Piacentini rumo ao México na próxima terça-feira (25). Na paradisíaca Cancún, o lutador piracicabano estreia no Campeonato Pan-americano de Kickboxing embalado pelas recentes conquistas do tetracampeonato da Copa do Brasil e o sexto título dos Jogos Abertos do Interior, recorde absoluto na história do evento. Em boa fase, o lutador aproveita os últimos dias de preparação ao lado dos treinadores Wilson Teodoro e Marcos Ribeiro, além do preparador físico Yuri Henrique.

“A confiança varia de acordo com os últimos resultados e o rendimento nos treinos. É final de temporada, além dos dois últimos campeonatos que venci, o meu rendimento tem sido favorável e estou dedicando bastante tempo aos treinamentos. Isso dá muita confiança”, afirmou o lutador, que admite estar ansioso para o evento, mas diz não ter tempo para ‘remoer’ qualquer inquietação em relação ao Pan. “Tento usar isso para melhorar os treinos, para treinar melhor e com mais pegada. Eu sei que tenho que chegar lá preparado e é o que estou fazendo”, disse.

EXPECTATIVA

Apesar do cartel com mais de 60 lutas na carreira, Gustavo Piacentini é estreante na competição. Perguntado sobre a situação, o atleta garante que não se preocupa com os fatores positivos ou negativos decorrentes da primeira participação. “Pode ser positivo no sentido de cobrança, responsabilidade. Mas, embora seja minha primeira vez no Pan, muitos lutadores me conhecem de outras competições. Prefiro entrar lá sem pensar nisso, quero apenas colocar em prática o que estou treinando”, declarou o atleta, que tem apoio da academia Fit Me e da MP Suplementos.

No México, Piacentini deve entrar no ringue mais ‘calculista’ do que no início da temporada. Ao amadurecimento natural, o lutador garante que está mais atento aos detalhes de cada luta. “O ritmo de competição está bem avançado e o jogo fica mais solto. A minha derrota no último WGP me ajudou muito a evoluir, ficar esperto, prestar mais atenção nos detalhes que podem decidir uma luta, tanto é que lutei muito bem as duas competições seguintes e conquistei os dois títulos. Tenho procurado minimizar os meus erros e fazer uma leitura melhor sobre as falhas do adversário”, completou.

Voltar