fbpx
Muay Thai

Dentista vê esporte como planejamento de vida

Jussara Frasson aposta nas atividades físicas para cuidar de seu próprio futuro

A aluna Jussara Frasson e o técnico de muay thai Frederico Molina
A aluna Jussara Frasson e o técnico de muay thai Frederico Molina (Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

Jussara Frasson, 57, é mineira de Uberlândia e há mais de 20 anos vive em Piracicaba. Cirurgiã-dentista, ela coordena o serviço odontológico na Esalq-USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) e conduz o próprio consultório. A rotina é desgastante: Jussara sai de casa às 7h e volta às 20h. No período, tem um intervalo de aproximadamente 15 minutos para o almoço. “Com a idade que eu tenho, isso cansa bastante. Para ‘encarar’ um treino, é quase impossível”, disse.

Praticar esportes, entretanto, sempre foi uma prioridade para ela. A solução encontrada foi treinar aos fins de semana. No início, Jussara fazia apenas aulas de musculação, mas não estava satisfeita. Depois, descobriu a luta. “Comecei no jiu-jitsu, mas me identifiquei com o muay thai. Isso foi há cinco anos, mas precisei ficar algum tempo afastada devido aos problemas que tive no ombro”, contou. Há sete meses, a cirurgiã-dentista treina com o professor Frederico Molina, da equipe Sithinthong Muay Thai. “A dinâmica da aula varia de acordo com o meu estado de espírito. O local, nós decidimos conforme o dia. Houve uma evolução na força e na agilidade”, afirmou.

PREFERÊNCIA

“A musculação me deixa forte também, mas não me dá a agilidade que a luta oferece. É claro que eu não tenho nenhuma pretensão de sair por aí dando murro (risos). Na terceira idade, você perde reflexo e eu estou plantando o meu futuro: se eu cair, pelo menos vou rolar (risos). O esporte é um dos cuidados que eu tenho”, relatou Jussara, que não escolhe as preferências na luta. “No muay thai, eu não ligo tanto para os chutes, mas adoro trabalhar socos e joelhadas. A sensação é muito boa. a disponibilidade do professor e a forma de trabalhar criam uma energia bastante positiva”, elogiou.

“O esporte para mim é coisa séria, não é uma brincadeira. Portanto, não gosto de fazer exercícios sem estar sendo avaliada. Uma lesão pode atrapalhar meu trabalho e, se eu não trabalho, eu não tenho salário”, disse Jussara. A cirurgiã-dentista é avó. Na família, ela também salienta a importância de praticar exercícios físicos. “Tenho dois filhos, uma netinha e estou esperando o segundo neto. Em casa, a gente conversa sobre isso. Eu sempre gostei e meus filhos se motivaram vendo eu praticar”, completou.

Voltar