fbpx
Futebol Americano

Cutters perdem, mas valorizam desempenho

Boa partida contra rival favorito não foi suficiente para vencer na estreia

Piracicaba Cane Cutters x Fluminense
Contra o favorito Rio Preto Weilers, a equipe piracicabana perdeu por 'detalhes' (Foto: Mauricio Bento/Líder Esportes)

Cane Cutters e Weilers travaram duelo equilibrado neste domingo (4), no estádio do Clube de Campo Empyreo, em Leme, pela rodada de abertura da primeira fase da SPFL (São Paulo Football League), competição profissional do Estado de São Paulo. No final, pesou a experiência da equipe de São José do Rio Preto, que venceu a partida pelo placar de 14×12. A segunda rodada acontece dia 18 de março, quando os Cutters recebem o Mooca Destroyers pelo Grupo B, às 14h, no CAP (Clube Atlético Piracicabano). A chave conta ainda com Corinthians Steamrollers, Santos Tsunami, Ocelots FA e Spartans Football.

A derrota sofrida no último fim de semana começou a ser construída no início do jogo, quando os Weilers aproveitaram as falhas do time piracicabano para abrir 14×0. Em desvantagem, os Cutters acertaram a defesa e começaram a ganhar jardas no ataque a partir do segundo quarto, porém, a equipe pecou no primeiro extra-point, o que forçou a tentativa sem sucesso de conversão de dois pontos após o segundo touch down. Na posse final, o Piracicaba Cane Cutters colocou pressão sobre o adversário, mas não conseguiu avançar o suficiente para chutar o field goal.

ANÁLISE

“Nós vacilamos no primeiro quarto contra um adversário muito experiente e qualificado, que explorou os erros que cometemos e abriu uma diferença de 14 pontos. Depois, entramos na partida, fizemos algumas mudanças e chegamos a dominar boa parte do jogo”, analisou o coordenador defensivo Kazuia. “Apesar da derrota, saímos contentes com o jogo que fizemos. Temos certeza de que podemos bater de frente com os times grandes. Fazendo alguns ajustes e com a mentalidade que estamos, a vitória irá chegar”, completou.

O coordenador ofensivo Victor Pandolfe segue a mesma linha de raciocínio. “O time começou nervoso, foi um dos problemas que encontramos no ataque. Demoramos para entrar no jogo e não progredimos nas primeiras posses de bola. Quando acalmamos os ânimos, estávamos perdendo. A instabilidade nos prejudicou contra um adversário experiente. Em geral, foi um passo importante e na direção correta. O Rio Preto Weilers é um dos adversários mais fortes da chave e tivemos um bom desempenho”, finalizou Pandolfe.

Voltar