fbpx
Opinião

Com a base, XV será coadjuvante

*Capa: Divulgação/XV de Piracicaba

Na apresentação oficial  do técnico Cléber Gaúcho, nesta quarta-feira (4), o presidente do XV de Piracicaba, Rodolfo Geraldi, disse que a equipe que vai a campo na Copa Paulista será recheada de garotos da base. Afirmou que o clube não tem recursos para contratações e, por isso, a saída encontrada é colocar os meninos e ver no que dá.

O presidente quinzista declarou ainda que espera que algum jovem jogador se destaque na competição do segundo semestre para ser vendido a fim de fazer caixa. “Não tem outra alternativa: temos de ‘fazer jogador’; ou para jogar aqui no XV ou para ser vendido”, disse. A postura do Alvinegro não me surpreende. Afinal, não é a primeira vez que isso acontece. Um clube como o XV de Novembro só tem uma saúde financeira saudável dessa forma, ou seja, revelando e vendendo atletas.

Por outro lado, essa postura da diretoria dá um desânimo tremendo ao torcedor. É praticamente a garantia de que, mais uma vez, o Alvinegro não vai a lugar nenhum na Copa Paulista. E, consequentemente, não terá a chance de chegar à tão sonhada vaga na Série D do Brasileiro e ter a garantia de um calendário racional em 2023.

O discurso do presidente, assim como do técnico Cléber Gaúcho e do novo gestor do clube, Douglas Pimenta, é de otimismo, mas eles mesmo sabem que é praticamente impossível chegar às finais atuando praticamente só com a base. É iludir o torcedor, que sonha com dias melhores para o Nhô Quim. Em suma, as perspectivas não são boas. Será mais um semestre sem grandes alegrias para o quinzista. Uma possibilidade de dias melhores poderá ser com a SAF (Sociedade Anônima do Futebol), que vem por aí – a proposta vai à apreciação dos sócios no próximo dia 10.

Se a proposta for aprovada pelos associados e o Alvinegro encontrar um parceiro idôneo, que venha disposto a investir e não somente para explorar o XV, pode ser que o clube veja uma luz no fim do túnel. Do contrário, o torcedor terá de continuar à espera de um milagre vinda das categorias de base.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar