fbpx
Karatê

Circuito Acak reúne quase 600 atletas em Piracicaba

Projeto Karatê para Todos fecha participação com 18 medalhas conquistadas na AFPMP

Circuito Acak (Associação Cooperativa das Academias de Karatê) - 7º Piracicaba Karatê Open
O karatê piracicabano mostrou força na última etapa do Circuito Acak, realizada no Ginásio da AFPMP

*Fotos: Katia Souza

O ginásio da AFPMP (Associação dos Funcionários Públicos Municipais de Piracicaba) foi sede no último domingo (10) para a nona e última etapa do Circuito Acak (Associação Cooperativa das Academias de Karatê), válida pelo 7º Piracicaba Karatê Open. O evento, organizado pela Associação Dojo Kai Karate-Do Shorin Ryu, contou com a participação de 588 atletas, que representaram 26 academias de 18 cidades do Estado de São Paulo. A programação teve início com as disputas de kata, seguidas pelas categorias do kumite.

“Foi um sucesso, tivemos uma grande participação de atletas, treinadores e do público, que girou em torno de 800 pessoas ao longo do dia. O evento teve disputas acirradas, pois foi a última etapa do ano. Os karatecas disputaram as melhores as colocações para a premiação do final do ano, na qual os três melhores de cada categoria serão agraciados com um troféu”, destacou Gilson Felipe, organizador do evento e diretor de arbitragem do Circuito Acak.

PROJETO

Com 21 inscritos, todos participantes dos núcleos instalados nos bairros Santa Rosa e Jardim Primavera, o projeto Karatê para Todos, aprovado via chamamento público e desenvolvido pela Associação Sport Way em parceria com a Selam (Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras), conquistou 18 medalhas na última etapa da competição: foram três de ouro, cinco de prata e dez medalhas de bronze. Os resultados, entretanto, não eram a prioridade do grupo.

Circuito Acak (Associação Cooperativa das Academias de Karatê) - 7º Piracicaba Karatê Open

A programação do evento realizado em Piracicaba contou com as modalidades kata e kumite

“Achei muito bacana, a participação foi muito positiva. Os nossos alunos ainda são iniciantes e disputaram com outros atletas que já estão em ritmo de competição. É preciso começar e eles foram muito bem. Algumas crianças ficaram nervosas, mas é algo que faz parte. Na minha opinião, foi um sucesso. Essa competição é muito boa para eles começarem a competir”, disse Natalia Brozulatto, atual campeã brasileira e responsável pelas aulas realizadas pelo projeto no bairro Santa Rosa.

Voltar