fbpx
+ Esportes

Chock Dee inicia trabalho com treinamento funcional

Jampa Leibholz adapta espaço; Ângelo Francisco Gimenez, o Chico, conduz os treinos

Jampa Leibholz e Chico Gimenez, professor de treinamento funcional da Academia Chock Dee
Jampa Leibholz ao lado de Chico, professor responsável pelos treinos funcionais da Chock Dee (Foto: Líder Esportes)

O verbo ‘reinventar’ foi utilizado várias vezes na pandemia. Para quem lida com esporte, a Covid-19 trouxe uma série de desafios, incluindo a montagem de treinos virtuais e a adoção de protocolos de segurança para a retomada das atividades presenciais. A Academia Chock Dee, fixada em Piracicaba, adaptou o plano de trabalho desde a chegada do novo coronavírus. A última novidade foi o acerto com o professor Ângelo Francisco Gimenez, o Chico, responsável pelos treinamentos funcionais que agora são oferecidos no espaço.

Formado pela Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep), o profissional de educação física é pós-gradurado em fisiologia do esforço e Level 2 Crossfit. As atividades são desenvolvidas em três pilares: o primeiro monoestrutural, onde é realizado o trabalho de cardio; o segundo ginástico, com os movimentos utilizando o peso corporal; e o terceiro de weightlifting, que corresponde a levantar peso. “As aulas de treinamento funcional têm alta intensidade. O objetivo é que cada aluno faça o melhor a cada treino”, afirmou Chico.

Entusiasta dos treinamentos físicos desde a época da faculdade, Jampa Leibholz, responsável pela Chock Dee, está acostumado a lidar com atletas e avalia o funcional como uma potente ferramenta de trabalho. “Na faculdade, o meu Trabalho de Conclusão de Curso foi relacionado ao treinamento de força para crianças, é algo que sempre gostei. Como atleta, fazia a preparação física com o Chico, foi assim que conheci o trabalho dele. A vinda do Chico vai atrair quem gosta de cuidar da saúde e busca uma opção não convencional”, afirmou Jampa, que completou:

“O treinamento funcional pode ser feito por alunos de qualquer idade, respeitando os limites físicos de cada um. Nós também temos casos de atletas que se interessam por esse treino para atingir o ápice da força. No caso específico deles, como a pandemia paralisou o calendário competitivo, os trabalhos são mais focados na manutenção. É importante ressaltar que as aulas são pré-agendadas, com número limitado de alunos, respeitando os protocolos de segurança”, finalizou.

Voltar