fbpx
Lutas

Centro Esportivo MR avalia retomada com ‘esperança e prudência’

Aulas gratuitas são mantidas; atletas de rendimento fazem planejamento para a temporada

Ramon Batagello, pugilista do Centro Esportivo MR
Ramon Batagello é pugilista da seleção brasileira de boxe e do Centro Esportivo MR (Foto: Arquivo Pessoal)

Esperança, prudência e prevenção são os ingredientes que marcaram a retomada das atividades no Centro Esportivo MR, em Piracicaba. As aulas presenciais voltaram no dia 26 de abril, seguindo o decreto municipal e os protocolos sanitários estabelecidos pelo Governo do Estado de São Paulo. Apesar do encerramento dos projetos realizados via chamamento público em parceria com a Selam (Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras), a academia manteve as aulas gratuitas de boxe na sede própria (Travessa Almeida Junior, 433, Nova América).

As atividades acontecem de segunda a quinta-feira, no período da tarde, com turmas alternadas e número limitado de alunos para respeitar o distanciamento social exigido no combate à pandemia da Covid-19. A idade mínima para participar é de 10 anos. A ação social, porém, não é a única iniciativa do Centro Esportivo MR. “Oferecemos trabalho individualizado e com atletas de rendimento. Estamos esperançosos, mas também cautelosos, não dá para traçar planejamento enquanto a situação sanitária não tiver uma melhora geral”, afirmou o preparador e diretor da equipe, Marcos Ribeiro.

RENDIMENTO

Três nomes se destacam atualmente entre os atletas de rendimento vinculados ao Centro Esportivo MR: o pugilista Ramon Batagello e os irmãos Marcos e Julia Alves, lutadores de kickboxing. “O Ramon é atleta da seleção brasileira por méritos próprios, garantiu a vaga no Campeonato Brasileiro e vem a Piracicaba sempre que é liberado pela confederação (CBBoxe). Aqui, ele treina comigo e com o Zandoval (Gustavo, treinador), temos uma sintonia muito boa. A princípio, o Ramon irá trabalhar com a equipe que vai para as Olimpíadas, fazendo o sparring e acompanhando o evento. Será uma experiência internacional importante”, disse Ribeiro.

Marcos e Julia Alves entraram no ringue pela última vez há sete meses. Na ocasião, a lutadora conquistou o cinturão dos leves do Fight Dragon Kickboxing, em Assis. De lá para cá, o planejamento de ambos foi prejudicado pela Covid-19. “Eles lutaram em outubro do ano passado e, desde então, tiveram três eventos cancelados devido à pandemia. A expectativa é que eles voltem a lutar no final de junho, provavelmente na Bolívia. Eles vinham fazendo o trabalho de manutenção e agora iniciaram a preparação com foco nesse evento. São jovens e estão ansiosos para voltar a lutar”, completou o técnico.

Voltar