fbpx

Líder Esportes

Opinião

Cartilha da queda

*Capa: Rubens Chiri/São Paulo FC

O São Paulo está seguindo à risca a ‘cartilha da queda’ no Campeonato Brasileiro. É uma sucessão de trapalhadas. Desde o início do ano, quando anunciou o ex-goleiro e ídolo Rogério Ceni como treinador, lá em janeiro, que a diretoria tricolor está fazendo um esforço enorme para prejudicar a equipe. Sem orçamento, o planejamento do clube para 2017 resumiu-se a fazer dinheiro para tirar as finanças do buraco. Por isso, foram embora mais de uma dezena de jogadores e chegou o mesmo tanto ao Morumbi, sem a mesma qualidade. Como consequência, a vexatória queda na Sul-Americana para o desconhecido Defensa y Justícia, da Argentina.

Não satisfeitos, os mandatários tricolores não tomaram nenhuma atitude para amenizar as perdas que teriam com suas principais estrelas, Rodrigo Caio e Cueva, em virtude de jogos nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo da Rússia. Tudo bem que nas partidas das eliminatórias os torneios no Brasil paravam, mas a sequência de jogos desgastou muito a dupla.

A opção pelo técnico Dorival Júnior também não me pareceu acertada. Agora é fácil falar, mas o histórico nos mostra que o ex-treinador santista tem o perfil de colocar suas equipes no ataque, com DNA ofensivo. Porém, o momento do clube paulista é de primeiro não perder, ou seja, de construir um forte sistema defensivo. A última trapalhada veio neste mês. A diretoria vende uma série de shows para o Morumbi justamente na reta final do Brasileirão. Justamente no momento em que a equipe mais precisa de sua torcida. O São Paulo só voltará a seu estádio na última rodada. São quatro partidas no Pacaembu. Uma já foi, contra o Atlético-PR.

Com isso, a torcida está preocupada. Mesmo firme em sua fé de que ‘time grande não cai’, os são-paulinos estão vendo que a equipe não reage, é muito inconstante, muito irregular, e isso pode ser fatal. O alento é que tem muito time ruim no Campeonato Brasileiro: Atlético-GO, Avaí, Ponte Preta, Chapecoense, Vitória, Coritiba, Bahia… é muita ruindade em um campeonato só. É essa a verdadeira esperança dos tricolores.

Erivan Monteiro é jornalista e cronista esportivo

Voltar