fbpx
Atletismo

Brasil encerra Mundial Indoor com duas medalhas na Sérvia

O velocista piracicabano Erik Cardoso estreou na competição e participou da prova de 60 m rasos

Erik Cardoso encerrou a participação no Mundial Indoor com a 34ª colocação nos 60 m rasos (Foto: Wagner Carmo/CBAt)
Erik Cardoso encerrou a participação no Mundial Indoor com a 34ª colocação nos 60 m rasos (Foto: Wagner Carmo/CBAt)

O Brasil encerrou a participação no Mundial Indoor de Atletismo, que terminou no último domingo (20), em Belgrado, na Sérvia, com duas medalha: o ouro de Darlan Romani no arremesso do peso, com direito a recorde do recorde do campeonato, e prata para o campeão olímpico Thiago Braz, no salto com vara. A seleção brasileira participou do evento com 17 atletas, entre eles o velocista piracicabano Erik Cardoso. O velocista do Sesi-SP ficou com a 34ª colocação na prova de 60 m rasos, com a marca de 6s73. No total, a World Athletics divulgou que 612 competidores de 129 países disputaram o Mundial.

Na história, o Brasil agora tem 17 medalhas em mundiais em pista coberta, sendo cinco de ouro, seis de prata e seis de bronze. Foi a melhor campanha do país em um Mundial Indoor, terminando em sexto lugar no quadro de medalhas, ao lado de Bahamas, Espanha, França, Portugal e Ucrânia. A Etiópia, com nove medalhas (quatro de ouro, três de prata e duas de bronze), liderou o quadro de medalhas em Belgrado. “O Brasil não é só o país do salto, da velocidade ou do arremesso. Temos uma equipe forte em todos os grupos de provas”, elogiou o presidente do Conselho de Administração da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Wlamir Motta Campos.

Na avaliação do dirigente, os resultados do Mundial da Sérvia inspiram o projeto do atletismo brasileiro de ter uma pista indoor já em 2023. “Os atletas fizeram a parte deles, os treinadores fizeram sua parte e nós da confederação também fizemos a nossa. O resultado é o crescimento do esporte e o atletismo do Brasil se destacando mais uma vez internacionalmente, o que é bom para o negócio atletismo, o desenvolvimento e o surgimento de novos atletas para o crescimento da modalidade. Todos estão de parabéns”, finalizou Campos.

Voltar