fbpx
Futebol

Bortoletto banca técnico e abre planejamento para 2020

Presidente fala sobre momento vivido pelo XV; 'ingressos pet' para sábado estão esgotados

O empresário Arnaldo Bortoletto é o presidente do XV de Piracicaba (Foto: Arquivo/Líder Esportes)

No próximo sábado (2), o XV de Piracicaba encara o Mirassol, às 20h15, no Barão da Serra Negra, pelo jogo de volta da semifinal da Copa Paulista. Os 3.000 ingressos que foram disponibilizados para troca por garrafas pet estão esgotados. Em paralelo à disputa pelo título, a diretoria do Alvinegro já pensa na Série A2, em 2020. A competição tem início previsto para o dia 22 de janeiro. Em entrevista concedida à Jovem Pan News, nesta quinta-feira (31), o presidente Arnaldo Bortoletto falou sobre as finanças do XV, garantiu a permanência do técnico Tarcísio Pugliese na próxima temporada e explicou como o clube deverá ser conduzido em 2020.

“O nosso limite de folha salarial (atletas), sem encargos, será de R$ 250 mil. Em caso de classificação entre os oito melhores ou em uma eventualidade, poderemos ter condições para buscar alguns reforços, porque alguém pode se machucar ou não dar certo. Nós temos que ter uma folga, pois neste ano foi uma loucura. Entramos com o elenco completo, contratando 26 jogadores. Hoje, temos 15 jogadores para a Série A2. Faltam algumas peças, mas temos que definir até o final de novembro”, afirmou Bortoletto.

‘Antes de começar o ano, vamos implantar novas políticas no clube. Serão nove, com regras para o profissional e na base’

Ao assumir o XV em novembro de 2018, o mandatário ‘herdou’ um déficit de aproximadamente R$ 2,6 milhões, que ainda não foi zerado. De acordo com Bortoletto, a situação está controlada. “Tínhamos uma dívida no banco e já acertamos. São juros fixos, expira em dezembro de 2020, quando liquidaremos toda a dívida bancária que o XV tem. Ainda temos pendências com as pessoas que emprestaram dinheiro para o clube e, por isso, vamos enxugar a folha, para tentar fazer uma proposta para essas pessoas”, ressaltou. Confira outros trechos da entrevista:

POLÍTICA

“Antes de começar o ano, vamos implantar novas políticas no clube. Serão nove, com algumas regras, tanto para o profissional quanto para a base. Isso não será mexido durante o campeonato, pois afeta, mesmo que a gente não queira, acaba indo para o atleta e para os funcionários. Quando acabar a Copa Paulista, vamos apresentar na sequência. Já está tudo discutido e rediscutido sobre como serão as ações de 2020, para que a gente possa ter mais controle, mais gestão”.

A continuidade do trabalho de Pugliese foi bancada pelo presidente quinzista (Foto: Michel Lambstein)

PUGLIESE

“A princípio, ele fica para 2020. Estamos reformulando o contrato, é um técnico que agradou a direção. Tem gente que gosta e gente que não gosta, mas nem todos serão agradados. Em dois campeonatos, ele deixou o time bem classificado e foi o Tarcísio que montou a equipe. Nós acordamos que se ele tiver propostas para a Série A1, pode sair. Para Série A2, não. O Tarcísio recusou duas propostas. Para times de fora de São Paulo também é muito difícil ele sair. Pelo XV, ele fica independente do que acontecer na Copa Paulista. Acertamos antes para não ter esse ambiente. A tensão é muito grande. Ele também quer um título, pois tem o próprio desafio. Deixamos algumas vagas em aberto no elenco. Se o Tarcísio sair, um novo treinador poderá trazer uns cinco ou seis atletas”.

ANDRÉ CUNHA

“Estamos negociando e ele já está com a proposta. O Ramon (Bisson, advogado do clube) está conduzindo a situação e acredito que nesta semana devemos concluir isso, para o bem dele e do XV. É um acerto legal para ele, já chegamos nos números finais e falta somente a assinatura do contrato. Ele permaneceria esse ano ainda como jogador e, no ano que vem, é uma outra história, pois precisaríamos conversar com o Tarcísio Pugliese, para saber se há intenção de contar com ele em outro cargo. Vamos encerrar a carreira dele oficialmente agora no final da Copa Paulista”.

Voltar