fbpx
Futebol

Bonfíglio processa XV de Piracicaba e pede penhora

Na ação, dívida também é cobrada do ex-presidente Celso Christofoletti

Renato Bonfíglio, diretor de futebol e vice-presidente do XV de Piracicaba
O advogado Renato Bonfíglio entrou com uma ação contra o XV de Piracicaba (Foto: Arquivo/Líder Esportes)

Ex-presidente do XV de Piracicaba, o advogado Renato Bonfíglio ingressou com uma ação judicial contra o clube piracicabano, que tramita na 3ª Vara Cível de Piracicaba, cobrando o pagamento de R$ 150 mil emprestados por ele à agremiação. O empréstimo foi feito em agosto de 2017, na gestão encabeçada pelo empresário Celso Christofoletti. O valor atual corrigido é de R$ 226.195,97. Segundo Bonfíglio, a dívida deveria ser paga assim que o XV recebesse a cota da FPF (Federação Paulista de Futebol) referente ao ano de 2018. Em caso de não pagamento, o advogado pede a penhora dos recursos financeiros que o clube recebe de patrocinadores.

De acordo com Bonfíglio, Christofoletti assinou o contrato de empréstimo como avalista e solidariamente, ou seja, a cobrança poderia ser feita ao XV ou ao próprio empresário. Bonfíglio ainda solicitou assistência judiciária gratuita, alegando falta de condições financeiras para arcar com as custas do processo. Christofoletti, que por conta do processo sofreu restrições junto aos órgãos de crédito, ofereceu um imóvel como garantia processual e entrou com embargos à execução. Ele nega a assinatura como avalista solidário e diz que a dívida não é autoexecutável – o empresário contesta a falta de assinaturas de testemunhas e de data expressa do vencimento.

Polêmico, Renato Bonfíglio ocupou nas duas últimas décadas diferentes posições na diretoria do XV de Piracicaba, como a presidência e o posto de diretor de futebol. No dia 3 de maio de 2016, quando tinha a função de vice-presidente, ele renunciou ao cargo ao lado do então mandatário, Rodrigo Boaventura, após o rebaixamento do time para a Série A2 do Campeonato Paulista. A saída aconteceu na mesma data em que a chapa completou 18 meses ininterruptos na direção executiva, período necessário para que eles pudessem se tornar conselheiros vitalícios, conforme o estatuto.

A prática de emprestar dinheiro particular aos cofres do XV de Piracicaba é ‘comum’ entre os dirigentes do Alvinegro. Procurado pelo LÍDER, o departamento jurídico do clube alvinegro manifestou, em nota, que não irá se pronunciar neste momento, justificando que ainda não foi notificado. A reportagem também tentou entrar em contato com Bonfíglio na última quarta-feira (28), mas não houve resposta. Hoje (29), a assessoria do advogado confirmou que ele não falará sobre o assunto.

Voltar