fbpx
Boxe

Batagello é bronze no Campeonato Brasileiro

Piracicabano vai ao pódio na estreia na categoria elite do torneio nacional

Ramon Batagello, lutador de boxe da academia Top Boxe
Ramon Batagello conquistou a medalha de bronze no Campeonato Brasileiro (Foto: Arquivo/Líder Esportes)

Lutando pelo primeiro ano na categoria elite (-91 kg), o pugilista piracicabano Ramon Batagello, atleta do Centro Esportivo MR, conquistou a medalha de bronze no 73º Campeonato Brasileiro Masculino Elite, que foi encerrado no último fim de semana, no Centro de Formação Olímpica e Paralímpica, em Fortaleza (CE). Simultaneamente, também aconteceu o 10º Brasileiro de Boxe Masculino Juvenil. A competição reuniu mais de 200 atletas.

Na primeira luta, o piracicabano venceu Maycon Barbosa, do Tocantins, ainda no primeiro round. A segunda vitória na competição foi contra Bruno Pereira, de Santa Catarina. Na semifinal, Batagello perdeu para Eduardo Santos, da Bahia. “Ele (Ramon) se manteve no pódio em todas as edições do Brasileiro em que participou. Foi um resultado bom, bacana e isso mostra que ele é um atleta de final. Ele lutou contra adversários muito experientes, que competem no exterior e já têm a parte física desenvolvida. Valeu a experiência para ele”, destacou o técnico Marcos Ribeiro.

FEBESP

Além de Batagello, Piracicaba também foi representada na competição nacional pelo próprio treinador Marcos Ribeiro, que ocupou o cargo de chefe de equipe da Febesp (Federação de Boxe do Estado de São Paulo). A delegação participou com 14 atletas e conquistou o título juvenil masculino por equipes, com seis medalhas de ouro, desbancando Rio de Janeiro e Bahia. Já na categoria elite masculino, a representação paulista ficou em terceiro lugar, com dois bronzes e um ouro.

“São Paulo é uma equipe tradicional em competições nacionais. Os melhores atletas estão em nosso Estado, o que torna a nossa delegação muito forte. Eu nunca tinha atuado como chefe de equipe no Campeonato Brasileiro. Foi muito desafiador, porém muito gratificante para mim. Tudo isso não seria possível sem a ajuda de outros treinadores que também lá estavam. Eu me senti muito honrado pela confiança que me foi dada”, finalizou Ribeiro.

Voltar