fbpx
Kickboxing

Atleta dá exemplo e fatura medalhas aos 53 anos

Piracicabano conquista três medalhas e não coloca prazo para encerrar carreira

O atleta de kickboxing Mangue Seco e o treinador Wilson Teodoro
O atleta de kickboxing Mangue Seco e o treinador Wilson Teodoro: exemplo elogiado (Foto: Líder Esportes)

Ano após ano, a palavra superação guia o caminho do piracicabano Vitor Wagner, o popular ‘Mangue Seco’, apelido que ganhou na capoeira. Perto de completar 53 anos, ele começou 2018 com três medalhas na Copa Tatame de Kickboxing, competição realizada na última semana de fevereiro, em Piracicaba. Na categoria máster 74 kg, o lutador ficou com o ouro na modalidade point fight, e obteve duas pratas no kick light e no light contact. Novidade? Nenhuma para Mangue, que iniciou nos esportes quando tinha 8 anos e se destacava no atletismo.

“Eu sinceramente esperava um bom resultado, porque treinei bastante no fim do ano passado para começar 2018 bem. Para mim, é algo natural. A única dificuldade que tive foi pelo fato de perder peso e lutar no mesmo dia, então não estava 100%, mas cheguei bem. Venho mantendo um bom ritmo de treinamentos e estou me preparando para o Campeonato Paulista, que é a segunda competição do ano. O objetivo é tentar a classificação para o Brasileiro e a Copa do Brasil”, contou o atleta. O Estadual está marcado para o mês de abril, em Cubatão.

Perguntado sobre a expectativa para a temporada, Mangue não titubeia: ele quer se classificar para o Pan-Americano, no México. “Tenho que pensar passo a passo. É importante controlar a ansiedade, mas isso só acontece quando coloca a luva para lutar. Antes, é normal dar um friozinho na barriga, mesmo para mim, que tenho experiência. A idade chega e isso é uma motivação a mais para mim. Tem uma molecada que segue o meu exemplo e isso me deixa orgulhoso. O importante é fazer esportes, independente da idade”, disse o lutador, que revelou o sonho de conseguir uma medalha aos 60 anos de idade.

O início no kickboxing aconteceu após o convite do treinador Wilson Teodoro, líder da equipe Company Top Fight. De lá para cá, Mangue Seco medalhou no Sul-Americano do Chile, em 2015, e no Pan do México, em 2016. Polivalente, ele disputa três categorias: point fight, kick light e light contact, todas na divisão 74 kg máster. O ano de 2017 foi praticamente perfeito para o atleta, que se sagrou campeão da Copa Tatame, Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. “Nunca deixei de praticar esportes. O segredo é esse”, afirmou Mangue, que conta com o apoio da Varella Motos.

EXEMPLO

As conquistas do atleta não passam batidas pelas pessoas próximas a ele. “A gente tem que tirar o chapéu para ele. O Mangue é um exemplo a seguir, que está almejando ser faixa preta de kickboxing. É um cara que treina forte, muito disciplinado em termos de alimentação. Futuramente, vejo ele como professor, ensinando o que agora está aprendendo. Particularmente, ajuda bastante ter um cara como ele ao lado. Quando alguém diz que não consegue, eu falo para seguir o exemplo. É um privilégio ser o professor de um atleta como ele”, elogiou Teodoro.

Voltar