fbpx
Natação

Após notificação, piscinas passam por ajustes e novos testes

Prefeitura de Piracicaba fiscaliza obras, que tiveram atraso devido a vazamento; espaço será reavaliado

A visita técnica ao Complexo Aquático Municipal foi realizada nesta quinta-feira (17) pela Prefeitura de Piracicaba
O Complexo Aquático Dr. Samuel de Castro Neves teve vazamentos identificados nas piscinas (Foto: Divulgação)

A Prefeitura de Piracicaba continua fiscalizando a reforma do Complexo Aquático Dr. Samuel de Castro Neves. Nesta quinta-feira, 17/2, o engenheiro fiscal Werner Bassinello visitou o espaço anexo ao estádio Barão da Serra Negra, que abriga as piscinas municipais, e realizou vistoria técnica após a notificação feita à Spalla Engenharia Eireli, empresa responsável pela obra, que começou em julho de 2020. De acordo com o engenheiro, a nova previsão é de que a empresa conclua os reparos no dia 4 de março. Após a entrega, a Secretaria de Obras fará testes no local para avaliar as condições de uso.

“Nós reforçamos que o compromisso da Administração é fiscalizar e cumprir o contrato para que a reforma do complexo aquático seja concluída com qualidade e eficiência. No momento, a empresa está recuperando a abertura que foi utilizada para encontrar o vazamento existente. O problema identificado no cotovelo de um cano de PVC está sanado. O contrapiso já foi concretado para o início do assentamento das pedras. Na sexta-feira após o Carnaval, pretendemos retomar os testes para liberar a piscina para o uso”, falou Bassinello.

No último relatório divulgado pela Prefeitura de Piracicaba, em novembro do ano passado, foram apontados problemas como o vazamento na piscina de 12,5×25 metros (437 mil litros), que será utilizada especialmente para aulas de hidroginástica, e trincas na piscina semiolímpica (25×25 metros, 875 mil litros), que poderá receber competições oficiais, além de atividades de iniciação e treinamentos. Além disso, os filtros instalados não eram compatíveis aos especificados em contrato e o acabamento necessitava de ajustes. “A empresa foi receptiva para sanar os problemas”, disse o engenheiro.

HISTÓRICO

Inaugurado em 1976, o complexo aquático foi fechado em julho de 2018, quando apresentava vazamentos de 125 metros cúbicos por dia. Pela reforma, a Prefeitura de Piracicaba já pagou R$ 1.204.752,11, o que corresponde a 93% do total, restando pagar R$ 87.881,37. No local, serão desenvolvidas as atividades referentes aos programas da Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras (Selam), como o PAM (Programa de Atividades Motoras) e o PDB (Programa Desporto de Base), com aulas de natação, hidroginástica e demais atividades aquáticas. No momento, as modalidades estão sendo realizadas na AFPMP (Associação dos Funcionários Públicos Municipais de Piracicaba) e no Clube Cristóvão Colombo.

Voltar