fbpx
Boxe

Após 11 anos, Agnaldo Nunes retorna e nocauteia

Pugilista olímpico, o atleta piracicabano recomeça carreira e sonha com exterior

Agnaldo Nunes, lutador de boxe da equipe Top Boxe
Aos 42 anos, o pugilista Agnaldo Nunes está motivado para voltar ao exterior (Foto: Líder Esportes)

Onze anos depois de ‘pendurar as luvas’, o pugilista piracicabano Agnaldo Nunes, 42, voltou a entrar no ringue no último sábado (7), no Ginásio do Bolão, em Jundiaí. A disputa contra Lucas Oliveira, pela categoria super pena, foi equilibrada nos três primeiros rounds. No quarto, Agnaldo se encontrou. A luta acabou no quinto assalto, quando o piracicabano nocauteou o adversário. A boa performance foi a retomada da carreira do atleta, que começou a treinar em 1990 com o mestre Julio Pedroso e representou o Brasil em duas Olimpíadas.

“Fiquei ansioso para voltar logo. Passaram muitas lembranças em minha cabeça, as competições que eu disputei. Isso motivou bastante. Demorei a entrar na luta, afinal, foram 11 anos longe do ringue, mas a partir do quarto round eu comecei a pegar mais a noção de distância e a colocar a mão. O nocaute mostra que eu voltei com o pé direito e que tenho condições de lutar em alto nível”, disse Agnaldo, que foi campeão paulista e brasileiro de boxe, antes de construir sólida carreira nos Estados Unidos.

‘ Não sei até quando vou poder fazer o que eu amo, que é lutar boxe, mas também não coloco limites para continuar’

No período afastado do esporte, Agnaldo priorizou a família. Atleta de alto rendimento, o piracicabano chegou rápido à seleção brasileira. Casado e pai de dois filhos, ele se sentiu esgotado devido à distância. “Eu estava sempre viajando e longe de casa. Casei, tive filhos e continuei viajando. Quando cheguei ao boxe profissional, morei nos Estados Unidos, fiz a minha carreira lá, enquanto minha família estava aqui. Isso esgotou e tirou minha motivação. Resolvi parar e dar atenção para a minha família. Vi meus filhos crescerem”, contou, orgulhoso.

A volta aos treinos aconteceu no dia 3 de abril de 2017. No intervalo de 11 anos, Agnaldo abdicou do esporte e começou a trabalhar em uma empresa na cidade de Rio das Pedras. A paixão pelo boxe, no entanto, nunca morreu. “Não foi fácil. Me afastei do ambiente de academia. Aos poucos, comecei a treinar nas férias. Aí conversei com o Marlon (Pedroso, treinador). Meus filhos cresceram e minha esposa montou uma loja, tem um projeto com a irmã dela. Eu me senti mais solto para voltar a lutar e fazer o que eu gosto”, afirmou.

OBJETIVOS

Para lutar em Jundiaí, Agnaldo recebeu apoio do Instituto Lino Barros, M33 Sports, Rosiley Seguros, Vazta Moda Estilo, Visual Suplementos e Clube Delphi. A preparação foi realizada na academia Top Boxe, comandada pelo técnico Marlon Pedroso, e contou com o sparring realizado por Jú Bologna. O próximo objetivo? O piracicabano não pensa pequeno. “Vou passo a passo. Pretendo fazer mais duas lutas aqui no Brasil e retornar ao exterior. É uma tentativa. Não sei até quando vou poder fazer o que eu amo, mas também não coloco limites. A minha família irá entender (risos)”, concluiu.

Voltar